A designer de produto colombiana Diana Sierra estava na faculdade quando resolveu fazer um estágio em Uganda, na África. Ao conversar com algumas garotas, elas confidenciaram que era muito difícil ir à escola durante o período menstrual, pois era raro e muito caro encontrar absorventes. Por esse motivo, muitas delas simplesmente deixavam de assistir as aulas e até eram tiradas da escola pela família por acharem que estavam com baixo rendimento (levando em conta os dias de falta todo mês por conta da menstruação).

“A maioria coloca um tecido grosso entre as pernas, às vezes até palha seca. E considerando que caminham quilômetros até chegar à escola, acabam sofrendo com ferimentos e bolhas nas partes íntimas”

Uma em cada 10 garotas não vai à escola durante a menstruação (dados da UNICEF) em países como a África e América Latina. Pensando em mudar a situação das meninas, a designer usou seus conhecimentos em prol de um bem maior. Junto do equatoriano Pablo Freund lançou a Be Girl que hoje está presente em 13 países africanos e tem se espalhado por outros lugares do mundo.

“Nós não estamos falando de foguetes espaciais; estamos falando de absorventes higiênicos. No entanto, ambos têm o mesmo efeito. Eles nos levam à lugares”.

A roupa íntima reutilizável foi criada com um tecido impermeável (evitando manchas e vazamentos) que possui uma espécie de bolso onde as meninas podem colocar pano, algodão ou papel higiênico que pode ser trocado ao longo dos dias da menstruação.
A peça é fácil de lavar e seca facilmente.

“Isso não é sobre o produto em si, é sobre o que as meninas sentem quando o têm. Uma delas me disse ‘O que eu mais gosto dele é que me sinto orgulhosa em ser menina‘”.

BE GIRL Empowering women through design from Be Girl on Vimeo.

Comentários