Assessor de Temer citado em delação da Odebrecht pede demissão

Amigo pessoal do presidente, José Yunes é o primeiro a cair após divulgação das delações da empreiteira

Advogado José Yunes classifica acusações de ex-diretor da Odebrecht como "irresponsáveis" e "fantasiosas" | Foto: Arquivo Pessoal
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

O assessor especial da Presidência da República José Yunes pediu demissão do cargo nesta quarta-feira (14). Em carta, ele afirmou que a demissão é para preservar sua dignidade. Yunes foi citado no anexo da delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho.

Advogado, Yunes trabalhava diretamente com o presidente Michel Temer, de quem se diz amigo há mais de 50 anos.

Nos termos de confidencialidade – espécie de pré-delação que antecede a assinatura do acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR) –, Melo Filho afirmou que a empreiteira entregou R$ 4 milhões no escritório de José Yunes, em São Paulo, cujo destino era o atual chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Na carta de demissão divulgada hoje, Yunes nega envolvimento no caso e lamenta não poder “ajudar o amido de 50 anos a colocar o País nos trilhos”. “Nos últimos dias, vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação. É fantasiosa a alegação que teria recebido recurso em espécie de doações do PMDB”, escreveu.

Confira a carta na íntegra:

carta-demissao-jose-yunes carta-de-demissao-jose-yunes-2

Fonte: O Alvoradense / Com informações do G1 e Estadão

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários