Congestionamentos na saída da cidade todas as manhãs já é rotina | Foto: Jonathas Costa / OA
Congestionamentos na saída da cidade todas as manhãs já é rotina | Foto: Jonathas Costa / OA

Mais da metade da população no Brasil (55,9%) residia, em 2010, em municípios que formavam os arranjos populacionais, ou seja, agrupamentos de dois ou mais municípios com forte integração populacional, devido aos deslocamentos diários para trabalho ou estudo. Isso representava 106,8 milhões de pessoas em 294 arranjos, formados por 938 municípios, segundo aponta um estudo apresentado na quarta-feira, dia 25, pelo IBGE.

Nos municípios integrantes do G100 (grupo de cidades brasileiras com mais de 80 mil habitantes, menor receita per capta corrente por pessoa e alto índice de vulnerabilidade socioeconômica) esses números são ainda mais expressivos e alarmantes.

Da lista das 30 primeiras cidades que compõem o G100, em média 55% da população total dos municípios se desloca para outras cidades. É o caso de Alvorada, que está entre as três cidades mais pobres do grupo e onde 62% da população diariamente deixa se desloca para outro município.

A base de cálculo do instituto levou em consideração o índice populacional de 2010, quando 195.673 pessoas moravam em Alvorada. Destes, 64.147 saíam em busca de serviço ou estudos todos os dias para cidades da região Metropolitana. A grande maioria, aproximadamente 86%, tem como destino diário Porto Alegre.

O fluxo de moradores de Alvorada em direção à Capital só é menor do que o de Viamão, onde 66.390 pessoas partem diariamente.

Segundo o pesquisador do IBGE Maurício Gonçalves e Silva, o estudo é uma importante fonte de informação para o planejamento de políticas públicas conjuntas e de investimentos privados.

Dados-Pesquisa-Alvorada-RS

Fonte: O Alvoradense