A pandemia motivada pela Covid-19 provocou diversas mudanças na sociedade. A forma como as famílias se relacionam, o ambiente de trabalho e, até mesmo, o consumo estão se adaptando à nova realidade.

Desde que Alvorada passou à bandeira vermelha no protocolo de Distanciamento Controlado do Governo do Estado, chama a atenção não só as portas dos comércios, como principalmente a quantia de cartazes informando os contatos dos vendedores.

Além das compras online, pelos aplicativos das lojas, os clientes tem ao seu dispor o contato com o vendedor através do WhatsApp, o que parece facilitar as compras.

Couto, vendedor das Lojas Taqi é um dos vendedores que aderiu à esta ferramenta em tempos de quarentena e isolamento social. Ele cumpre se horário de trabalho na loja física, respeitando os protocolos impostos, mas atende seus clientes pelo aplicativo.

Ele ressalta a forma ética como a relação cliente / vendedor se dá, ainda que por mensagens e destaca a facilidade de consulta de modelos, preços e condições, ainda antes da compra, que pode ser feita posteriormente por aplicativos ou presencialmente, sempre seguindo as normas de segurança em saúde.

Os clientes são os antigos, que podem o número por conhecer o vendedor, mas também há novos surgindo. “De uma certa forma, é uma oportunidade a mais de negócio”, considera Couto, que trabalha no comércio há mais de 30 anos.

Sobre se adaptar a esta nova realidade, inédita, após tantos anos de experiência, ele responde: “A vida é um ensinamento constante de um aprendizado intenso”.

Morador de Alvorada há 14 anos, este porto-alegrense de 46 anos, diz nunca ter vivido algo parecido. Lembra de situações diferentes, “mas nada tão assustador quanto o atual”, pondera.