Alvorada volta a ter representante na Assembleia do RS

Stela Farias/PT, por determinação do TRE, assume vaga do deputado cassado Lara/PTB

315
Foto: Arquivo Pessoal / OA

Após a cassação do mandato de Luis Augusto Lara/PTB, acusado de ter a campanha beneficiada com atos ilícitos do irmão, Divaldo Lara, prefeito de Bagé, a ex-prefeita de Alvorada, Stela Farias Lopes/PT, toma posse na Assembleia do Estado, levando o Partido dos Trabalhadores à maior bancada da Casa Legislativa, com nove deputados.

A notificação sobre a determinação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) foi feita na tarde de quarta-feira (10) e é baseada na recontagem dos votos. Conforme a decisão do Tribunal, os reprocessamento dos votos, respeitando o quociente eleitoral, vai para a bancada do PT, ou seja, Stela Farias deve ser empossada.

PSol

A expectativa inicial era que a recontagem desse a vaga para a bancada do PSol, que atualmente discutia quem iria ocupar o assento. Se Pedro Ruas, o primeiro candidato mais votado na lista (após Luciana Genro, que se elegeu) ou o sucessor.

A decisão se deu por meio de uma ação movida pelo PSol que foi acatada pelo relator da matéria, o ministro Alexandre de Moraes.

Deputada

Em entrevista ao jornal O Alvoradense, Stela Farias fala do seu sentimento com o retorno à Assembleia Legislativa do Estado, justamente no Mês da Mulher. Ela entende que com a perda do seu mandato, em 2018, perderam também a cidade, a Assembleia Legislativa e a luta da representação feminina. “Também há o sentimento de justiça, pois perdemos a eleições por apenas 43 votos”, avalia. “Agora retorna a mulher de esquerda, posicionada à esquerda, oriunda da boa política popular, com os valores da esquerda”.

Stela ressalta que, ainda que estivesse na suplência, nos últimos três anos seguiu atuando na assessoria da bancada, no esforço de manter vivo o seu trabalho e seu ideais. Neste sentido ela lembra suas atuações junto à comunidade alvoradense, seguindo na defesa do serviço público, principalmente na luta contra a instalação do pedágio na ERS 118, onde esteve na linha de frente desde o início da mobilização.

Ainda que tenha pouco tempo, cerca de nove meses de mandato, ela pretende levar adiante importantes pautas, entre elas retomar a busca de uma alternativa de acesso do município à FreeWay.