Além dos pertences perdidos, moradores enfrentam alta nas contas | Foto: CCS / Divulgação / OA

As consequências das cheias que atingiram a cidade em 2015 vão muito além do que se possa vislumbrar. Além da perda de móveis, eletrodomésticos, alimentos e vestuário, muitos moradores levaram um susto quando receberam suas contas nos meses seguintes.

A necessidade de limpar as casas, terrenos e tentar recuperar o que sobrou da enchente, rendeu a uma moradora do bairro Americana uma conta de água de mais de R$ 700,00. Leila Delurdes Pesente, moradora da rua Marques do Pombal, também teve a conta de água e de luz com valores acima do normal, graças à tentativa de voltar à rotina. “E eu ainda não consegui concluir a limpeza!”, lamenta a servidora municipal, que mora com a filha Pamela no bairro há muitos anos, mas nunca tinha enfrentado tamanha enchente.

Frente ao problema a Corsan garante que vai ajustar esses valores que ultrapassaram, em muito, o consumo usual dos moradores, por sugestão vinda de audiência publica e pela Comissão Permanente de Acompanhamento da Cheias da Câmara de Vereadores.

Em reunião ocorrida na sexta-feira, dia 20, o presidente da Companhia, Flávio Presser, recebeu o deputado estadual Gabriel Souza e o vereador Cristiano Schumacher, que reivindicaram uma tarifa diferenciada de água para os mais de 10 mil moradores atingidos pelas cheias de julho, agosto e outubro, principalmente nos bairros Americana e Nova Americana.

Para solucionar o problema, a Corsan está organizando mutirões nos dias 5 e 12/12 para regularizar a situação de moradores que receberam conta de água com valores anormais durante as enchentes. Os interessados na tarifa diferenciada deverão ir ao escritório da Companhia em Alvorada, levando a conta. Esta será ajustada, com base na média histórica de cada residência.

Fonte: O Alvoradense