ATM e Setergs emitem nota sobre paralisação do transporte público

Representantes das empresas transportadoras negociam ações de combate à crise com o Governo do Estado

156
Foto: Jonathas Costa / Arquivo / OA

Frente à decisão de paralisação por parte dos trabalhadores do transporte público intermunicipal, as entidades representativas das empresas se mostram preocupadas com o resultado desta ação, programada para a próxima segunda-feira (9).

Em comunicado oficial, a associação e sindicato das empresas transportadores, relata que está em contato com o Governo do Estado em busca de soluções para a crise que o setor enfrenta.

Comunicado

“A Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros (ATM) e o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do RS (Setergs) manifestam preocupação com o movimento de greve anunciado para o início da próxima semana pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários Intermunicipais, de Turismo e Fretamento da Região Metropolitana (Sindimetropolitano).

O setor vem sofrendo queda gradual de demanda há alguns anos. Apesar disso, as empresas vêm cumprindo rigorosamente seus compromissos com os trabalhadores. Em função da pandemia e das limitações da capacidade de transporte dos ônibus impostas pelos decretos, a atividade passou a enfrentar um gravíssimo desequilíbrio econômico-financeiro.

Para encontrar uma solução, as entidades têm buscado alternativas para enfrentar essas dificuldades. Mantendo diálogo com o Governo do Estado — representado pela Metroplan, Secretaria de Apoio e Articulação aos Municípios e Secretaria Extraordinária de Apoio à Gestão Administrativa e Política, entre outros órgãos.

Confiamos na sensibilidade do Governo do Estado para estruturar uma alternativa. Compreendemos as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores, mas reforçamos que uma paralisação dessa natureza acabará prejudicando quem mais precisa”.

Granpal

Também a Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) manifestou preocupação com a paralisação do transporte público intermunicipal da Região Metropolitana. 

Em nota a entidade lembrou que, nos últimos anos, o setor do transporte de passageiros vive uma grave crise, que se agravou com a pandemia. “A busca de solução passa pelas prefeituras, pelos governos estaduais e pelo governo federal. Não se justifica ter impostos incidindo sobre o valor da passagem. É preciso ainda encontrar receitas extra-tarifárias e reduzir isenções”. 

E segue: “O tema deve ser enfrentado no curto prazo para o transporte metropolitano não parar. A médio prazo, o sistema deve ser repactuado com os operadores e, para o futuro, ser desenhado um novo sistema”. 

Conforme o comunicado, os prefeitos da região, através da entidade, estão procurando autoridades responsáveis e empresas envolvidas para encontrar uma solução equilibrada e que garanta a execução do serviço. “A paralisação reforça a necessidade de uma discussão maior, de alcance estadual e nacional, sobre a sustentabilidade do sistema de transporte público — uma das principais bandeiras da Granpal”, conclui.