Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O auxílio emergencial pago pelo Governo Federal pode ser estendido por mais dos meses. Inicialmente previsto para ser repassado por três meses como forma de suporte a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais durante o período mais agudo da crise provocada pelo novo coronavírus, a ampliação do pagamento foi sinalizada nesta quarta-feira (4) pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo ele, a prorrogação do benefício “já está acertada” com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele não citou, contudo, qual o valor destas duas novas parcelas.

“Vai ter, também acertado com o Paulo Guedes, a quarta e a quinta parcela do auxílio emergencial. Vai ser menor do que os R$ 600”, disse, justificando a redução com o alto custo da manutenção do benefício. “Cada vez que nós pagamos o auxílio emergencial, dá quase R$ 40 bilhões [por mês]. O Estado não aguenta isso aí, o contribuinte brasileiro não aguenta isso aí”, completou.

O jornal Estadão informou, mais cedo, que o valor das duas novas parcelas deve ser de R$ 300,00.

Uma medida provisória está sendo elaborada pela equipe do ministério uma vez que a lei do auxílio emergencial prevê a possibilidade de prorrogação, mas com o valor atual de R$ 600.