Foto: Divulgação / OA

Muitos foram os órgãos públicos que fecharam suas portas por causa da Covid-19 desde março. Fórum, Cartório Eleitoral, Ministério Público, Defensoria, por exemplo, passaram a atender em regime de plantão e, preferencialmente, de forma não presencial.

Inclui-se nesta relação, a Câmara de Vereadores de Alvorada, ainda que cumprindo as medidas preventivas, segue com as sessões semanais, com apresentação e votação de medidas relativas ao coronavírus, entre outras questões, e um público restrito à imprensa e convidados.

O vereador Juliano Marinho/PSD, em seu segundo ano como presidente da Casa, afirma que, “como primeira grande frente de atuação, enxugamos o orçamento anual da Câmara e repassamos para o comitê de enfrentamento da crise”. Foram R$500 mil reais destinados, principalmente, à Secretaria Municipal de Saúde, para aquisição de equipamentos de proteção para os profissionais da saúde, materiais e testes e ao Hospital de Alvorada, onde foi montada uma tenda para atendimento dos casos de suspeita de Covid-19. Ali são atendidos os casos com sintomas respiratórios que procuram o hospital e é feita a triagem, onde os pacientes são medicados, encaminhados às Unidades de Saúde ou hospitais da Capital.

Segundo o presidente, os vereadores procuram realizar ações de apoio social às comunidades mais afetadas pela crise econômica causada pela pandemia, além de seguir fiscalizando e cobrando ações das autoridades municipais e estaduais, principalmente no âmbito da saúde pública.

E neste momento, uma certa harmonia entre o Legislativo e o Executivo é benéfica para a cidade. Ainda que atue de forma independente, a Câmara Municipal está alinhada com a Prefeitura na busca do bem comum. “Meu trabalho é sempre com foco em fazer o melhor para a nossa gente. A política é feita para mudar a vida das pessoas, e é por esse ideal que trabalhamos”, completa Juliano.

Contudo o presidente lembra que há divergências quanto à atuação do Executivo frente à pandemia. Ele avalia que, em aspectos gerais, o Executivo atua de forma adequada dentro das limitações de uma cidade com as carências de Alvorada. Contudo os vereadores verificam falhas como a demora na compra dos testes da Covid-19, problemas na vacinação contra a gripe e pouca fiscalização, por parte da Prefeitura, em relação ao cumprimento dos Decretos.

Troca de partidos

Recentemente o presidente do Legislativo protagonizou um dos momentos mais inusitados da polícia municipal, com sua expulsão do Partido dos Trabalhadores, onde militou por décadas.

Juliano Marinho lembra que o fato se deu a partir do rompimento planejado e provocado pela instância municipal do PT, portanto não há mais nenhuma relação dele com o partido. “O diálogo franco, construtivo e respeitoso tenho com os principais partidos políticos da cidade. Mas o PT não é mais o mesmo, e hoje é um grupo de culto a uma personalidade, que aqui em Alvorada tem uma face autoritária e que desdenha a nossa gente e todos os que priorizam os interesses públicos em detrimento dos interesses partidários”, lamenta.

A relação de muitos anos com o político Jairo Jorge e a receptividade do deputado Danrlei o fez se aproximar do Partido Social Democrático, onde deposita expectativas positivas.

“Fiquei muito honrado ao ser convidado pelo PSD para concorrer a Prefeito da nossa cidade. Constituímos uma nominata completa e bem competitiva e, tenho certeza, elegeremos vereadores e vereadoras para a próxima legislativa municipal”, conclui Juliano.