Foto: Reprodução / OA

O quarto dia de trabalho de buscas pelo menino Nicolas Ferreira Ribeiro, 10 anos, desaparecido em um córrego da avenida Beira Mar do bairro Umbu no domingo (6), conta agora com o auxílio de cães farejadores e o uso de um drone com leitura termal, ideal para trabalho de buscas, cedido por uma empresa particular.

Seguem as equipes de mergulhadores, agora com dois botes para cobrir a área com mais agilidade. Contudo, além das águas turvas, a forte correnteza prejudica o trabalho, acrescida da presença de entulhos, detritos, troncos e galhos de árvore. 

Nesta quarta-feira (9), a área coberta pela varredura das autoridades é de cerca de dois quilômetros ao longo do riacho, que deságua no rio Gravataí. Conforme os homens da Companhia Especial de Busca e Salvamento (CEBS) de Porto Alegre, pertencente ao Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS) há grande preocupação com o alerta emitido pela Defesa Civil do Estado, sobre possibilidade de temporal e consequente inundações e transbordamento de córregos e arroios da bacia do Gravataí.

Também o efetivo do 8º Batalhão de Bombeiros Militar de Alvorada, como a Guarda Civil Municipal e os PMs do 24º BPM trabalham nas buscas. Há ainda uma equipe da Polícia Civil no local. Populares usam barcos próprios na tentativa de colaborar, mas os Bombeiros pedem que tenham cuidado e usem coletes salva-vidas.

As buscas são acompanhadas por demais moradores e familiares da criança. Nicolas sumiu no domingo, enquanto lavava os pés e chinelos. Ele escorregou caiu no córrego e, segundo relatos do irmão de 11 anos, sumiu em seguida.