Já faz uma semana que o temporal passou por Alvorada, mas o drama dos moradores do bairro Americana ainda está longe do fim.

São sete dias com as casas alagadas e quando a noite cai, a escuridão toma conta da região.

Desde domingo a água começou a baixar, mas de maneira muito devagar. Apenas nas ruas é possível conferir que o nível dos alagamentos realmente desceu.

Dentro da maioria das casas, no entanto, a água segue represada. Para acelerar o serviço, a Corsan decidiu instalar um equipamento mais potente ontem. Segundo o Diretor de Operações da estatal, Ricardo Röver Machado, cerca de 500 litros de água estão sendo sugados por segundo. A nova bomba, que foi instalada em cima de uma balsa, é movida por um gerador elétrico.

Mapa mostra local dos alagamentos

Ainda assim os efeitos são lentos. Com móveis e eletrodomésticos perdidos, os moradores também convivem com a insegurança e o perigo da proliferação de doenças. A Prefeitura de Alvorada já retirou 17 famílias do bairro. Segundo a assessoria de imprensa, cinco equipes estão auxiliando a Defesa Civil no trabalho de retirada dos moradores.

Situação de Emergência

Segundo a Defesa Civil do Estado, Alvorada decretou situação de emergência na quinta-feira. Outras 41 cidades do Rio Grande do Sul fizeram o mesmo. Inhacorá, na região do Celeiro, decretou estado de calamidade pública e 15 outros municípios emitiram Notificações Preliminares de Desastre (Nopreds).

O governo do Estado já destinou R$ 4,91 milhões para 31 cidades que sofreram com os vendavais e chuvas de granizo. Segundo o 1º Tenente Marcelo Abade, Alvorada aguarda a homologação do decreto para receber ajuda. “Os recursos podem ser destinados em dinheiro ou ajuda humanitária”, detalhou Abade.

Fonte: O Alvoradense