Depois de uma terça-feira de muita chuva e transtornos em Alvorada, o que incluiu alagamentos, desabamento de marquise e transbordamento do Arroio Feijó, a quarta-feira promete ser ainda mais problemática. O Instituto Nacional de Metereologia alerta para a chegada de um ciclone nas próximas horas que pode trazer ventos próximos dos 100km/h na região de Alvorada, que enfrenta condições atmosféricas muito adversas desde o fim de semana com chuva forte a torrencial, e muitos raios.

Segundo o último boletim do Metroclima, o cenário de risco que já era antecipado deve persistir por pelo menos mais 36 horas a contar da tarde desta terça-feira. O risco maior inicial é ainda chuva, mas, na sequência, passará a ser o vento. O motivo será um ciclone extratropical que trará forte ventania, mas afastará para o Norte e o Leste as nuvens mais carregadas que têm sido responsáveis pela chuva muito volumosa.

Em parte da quarta-feira, especialmente no período da madrugada e da manhã, persiste o risco de chuva forte a torrencial. O risco de chover forte, até com possibilidade de alagamentos, permanece em consequência de uma frente fria, associada a um centro de baixa pressão na área do Rio da Prata, que vai atravessar o Rio Grande do Sul entre hoje e amanhã. Na passagem deste sistema, podem ocorrer ainda grandes volumes de chuva capazes de gerar transtornos, especialmente porque esta frente encontrará a massa de ar muito quente, úmida e instável que permanece sobre a parte Sul do Brasil.

No decorrer da quarta-feira o grande risco meteorológico deixará de ser a chuva e passará a ser o vento, que deve ganhar muita força na cidade no decorrer da quarta e ainda soprar forte ao longo da quinta-feira, perdendo intensidade durante o dia. A ventania pode soprar com rajadas de 70 a 90 km/h, superiores em alguns pontos.

Os meteorologistas acreditam que o potencial de danos e transtornos é altíssimo. O vento muito forte, que deve soprar com rajadas por muitas horas consecutivas, pode provocar queda de placas de publicidade e postes, além de causar destelhamentos. Pode ser registrado um elevado número de queda de árvores, com ameaça de bloqueios de ruas e avenidas. Apenas com o vento intenso já seria de se esperar um número de alto de queda de árvores, mas com o solo bastante saturado e instável pelo excesso de chuva o número pode ser ainda maior do que normalmente se observa.

As consequências mais amplas para a população deverão se dar no fornecimento de energia com prováveis cortes e interrupções em vários bairros. Em caso de falta de luz, há a ameaça de problemas para o abastecimento de água, na hipótese de estações sofrerem com problema de energia. A população deve estar muito atenta, evitando estacionar automóveis debaixo de árvores e ter muito cuidado com eventuais cabos ou fios de luz.

Fonte: O Alvoradense