Clube de Robótica comemorou 1 ano de atividades / Foto: Divulgação / OA

Foi com a convicção de que escola também é lugar de aprender a fazer robô que o professor Cilon Nunes, de Matemática e Física da Escola Estadual Senador Salgado Filho, fundou o Clube de Robótica Educacional.

A iniciativa está completando um ano, período em que os alunos do 6° ano do Ensino Fundamental, Vanderlei, Yasmin e Kauã, vêm desenvolvendo atividades multidisciplinares e monitoria na formação de novos integrantes do Clube.

São três os alunos envolvidos com a proposta / Foto: Divulgação / OA
São três os alunos envolvidos com a proposta / Foto: Divulgação / OA

Conforme o professor Cilon, o projeto chamado de “RESF – RS Robótica Educacional Salgado Filho” oferece aos alunos a oportunidade de vivenciar experiências semelhantes às da vida real.

“A robótica educacional é um fantástico instrumento na aprendizagem lúdica, pois proporciona uma interatividade e trocas entre o professor e os alunos. O aluno passa a ser um construtor de seu próprio conhecimento, enquanto nós orientamos o processo”, explica

Os estudantes aprendem a socializar informações e conhecimentos, através dos diálogos e das tarefas realizadas durante cada módulo de estudos. O projeto é oferecido para os alunos a partir do 4° ano do Ensino Fundamental. Desta forma é formada uma equipe de robótica que participa e representa a escola em eventos e competições externas.

Alunos estiveram representando a escola na Cobre, em Viamão / Foto: Divulgação / OA
Alunos estiveram representando a escola na Cobre, em Viamão / Foto: Divulgação / OA

Em 2015 o Clube de Robótica esteve em Viamão, participando da IV Competição Brasileira de Robótica Educacional (Cobre), promovida pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

No contexto educacional, a robótica remete ao uso de uma linguagem de programação que aborda as áreas do conhecimento trabalhadas durante o Ensino Básico que, posteriormente, será utilizada para comandar o objeto educacional, ou seja, o robô.

Fonte: O Alvoradense