Após o anúncio do parcelamento de salários do funcionalismo público estadual, diversas categorias organizam operação padrão para esta segunda-feira (3).

Protestos foram chamados em diversos pontos de Porto Alegre, o que também deve afetar o trânsito.

As mobilizações devem começar às 8h.

Confira abaixo o impacto em cada área:

Segurança pública
As entidades representativas dos servidores da segurança pública prometem realizar uma operação padrão nesta segunda. A expectativa é de que os PMs fiquem aquartelados, sem realizar o patrulhamento durante todo o dia. A mesma coisa deve ocorrer com os policiais civis. Apenas casos considerados graves, como homicídios, estupros, incêndios e salvamentos. Temendo o resultado pela ausência de policiais nas ruas, as entidades pedem para que a população não saia de casa.

Escolas estaduais
O Cpers/Sindicato informou que, pelos professores, não haverá aula nesta segunda. A partir de terça as atividades escolares devem ser retomadas, com período reduzido até o dia 18. A orientação é de que as escolas utilizem esse tempo para conscientizar a comunidade escolar quanto ao descaso do governo com os educadores e a educação pública gaúcha. Já a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), garantiu, no entanto, que o calendário letivo será mantido e o retorno às aulas deve ocorrer normalmente nesta segunda-feira.

Bancos
O Sindicato dos Bancários (SindBancários) obteve uma liminar na Justiça do Trabalho que impede a abertura dos bancos caso não haja o policiamento ostensivo. A decisão vale para todo o Rio Grande do Sul.

Saúde
O número de funcionários em atendimento deve ser reduzido no Hospital Sanatório Partenon e no Hospital Psiquiátrico São Pedro, o que pode causar um tempo de espera maior do que usual. Já o Ambulatório de Dermatologia Sanitária, onde são realizadas consultas e não se tratam de casos de urgência, corre o risco de não abrir, conforme o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindsepe/RS). A paralisação também deve atingir as atividades da Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde, entre elas, o Laboratório Central do Estado (Lacen). Os servidores estaduais dos postos de saúde também podem paralisar.

Demais servidores estaduais
O Sindicato dos Técnicos-Científicos do Rio Grande do Sul (Sintergs) anunciou a paralisação total dos servidores técnicos-científicos, especialistas em Saúde e extranumerários em todo o Estado. A categoria deve realizar um ato às 8h, em frente ao Centro Administrativo, na Capital.

Comércio
Se depender do Sindilojas, o comércio manterá as portas abertas. Em nota oficial, o sindicato disse que repudia a medida tomada pelos sindicatos e associações da polícia que sugestionaram a paralisação. “Vamos monitorar as lojas durante o dia. Em caso de problemas de segurança, vamos acionar a BM”, afirmou o presidente Paulo Kruse.

Transporte público
Ainda que nenhuma empresa tenha anunciado a paralisação do serviço, o funcionamento do transporte público permanece como uma incógnita. De acordo com o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Adair da Silva, a situação deverá ser avaliada na primeiras horas da manhã. Há possibilidade de muitos motoristas e cobradores não assumirem seus postos de trabalho. A paralisação também não foi cogitada pelos metroviários. Já o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Alvorada, José Luiz Araújo, assegurou que não estão marcadas mobilizações na cidade.

Fonte: O Alvoradense