Foto: Secretaria Estadual da Saúde / Divulgação / OA

A Secretaria da Saúde (SES), por meio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), confirmou nesta terça-feira (10) o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus no Rio Grande do Sul. Trata-se de um homem, de 60 anos, residente em Campo Bom, que teve histórico de viagem para Milão, na Itália, entre os dias 16 e 23 de fevereiro. O anúncio foi feito pelo governador Eduardo Leite em coletiva à imprensa no Palácio Piratini.

O homem que teve o diagnóstico confirmado apresenta hoje quadro clínico leve, sem a necessidade de internação hospitalar, permanecendo em isolamento domiciliar até a melhora dos sintomas. Nenhum familiar apresentou sintomas e seguirão sendo acompanhados, assim como o caso confirmado até a melhora do quadro de saúde.

Até esta terça-feira (10/3) já foram notificados como suspeitos 190 casos no Estado. Além desse primeiro positivo, outros 103 já foram descartados para o novo coronavírus e 86 ainda permanecem em investigação.

O governador reforçou que “o importante é que consigamos evitar a disseminação desse vírus para que ele não chegue em pessoas com alguma debilidade do seu sistema imunológico que podem ter complicações”, disse Leite. “Por isso as medidas de isolamento, da etiqueta respiratória e hábitos de higiene. Para preservar não só as suas mas como também às das outras pessoas ao seu redor”, completou.

A secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, destacou o plano de contingência elaborado pela SES. “Nós mudamos de nível, passando do nível zero para o nível um, que é quando temos de 1 até 100 casos”, explica. “É importante mantermos a atenção aos casos de pessoas com sintomas e que tenham histórico de viagem a um dos países com circulação local do vírus”, afirmou.

O presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems/RS), Diego Espíndola, falou também do apoio e engajamento dos municípios nas ações. “Estamos em sinergia com Estado e Ministério da Saúde e todas as equipes estão preparadas para receber os casos suspeitos”, disse.