Vereador Vanio Presa presidiu o momento em que a Corsan prestou esclarecimentos / Foto: Corsan / Especial / OA

A cobrança de antigas pendências junto à Corsan e o corte no abastecimento de cerca de três mil endereços, fazem parte de um trabalho de “pente fino” da Companhia, iniciado em setembro. Contudo a repercussão disso na cidade levou a Câmara de Vereadores a solicitar a presença de representantes da Companhia para prestar esclarecimentos.

O pedido partiu da vereadora Irmã Sara (PMDB) e, na noite de terça-feira (1º), estiveram na Casa Legislativa o gerente Carlos Leite Breik, acompanhado dos engenheiros Felipe Tamanini e Carlos Alves.

Após ouvir os questionamentos dos vereadores também com relação aos trabalhos da Corsan nas ruas da cidade por conta da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), o grupo passou a esclarecer vários poontos.

Um deles relativo à qualidade do serviço prestado nas ruas da cidade após as ações do PAC e a demora na conclusão dos trabalhos. Foi esclarecido que todas os trabalhos estão sendo acompanhados pela Smov, que só libera uma nova etapa da obra após e anterior ter sido concluída de maneira satisfatória. “São feitas reuniões quinzenais para análise e fiscalização de cada trecho”, informou o gerente Breik. Como resposta, a vereadores Irmã Sara propôs que também a Câmara Municipal participe desse processo.

Atualmente são cinco frentes de trabalho em Alvorada, que estão sendo concluídas e só passam para uma próxima fase após a aprovação da Prefeitura.

Cortes
Conforme os técnicos da Companhia, foram três mil os cortes de água na cidade, sendo que cerca de 10% dos casos apresentaram problemas. “A maioria era de inadimplentes ou ligações irregulares, que seguem sendo combatidas na cidade”.

Questionados sobre o conhecimento da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do RS (Agergs) com relação à ação da Corsan e das despesas com empresas terceirizadas para a realização dos cortes e posterior religamento, Breik lembrou que foi a própria agência quem cobrou da estatal a regularização das contas em todo o Estado. Quanto á contratação de empresas terceirizadas, não ocorreu por falta de verba do Governo do Estado, sendo realizadas pelos próprios funcionários do escritório de Alvorada.

“Os usuários que pagam em dia não podem ser penalizados pelos que não pagam”, confirmou o gerente, garantindo que a Corsan vai seguir combatendo as fraudes.

Fonte: O Alvoradense