Foto: Divulgação / OA

O vereador eleito pelo Partido Progressista (PP) em Alvorada, Cristiano Oliveira, 30 anos, viveu no bairro Umbu até os 22 anos e por três foi assessor parlamentar do PP na Câmara de Vereadores. Formando em Licenciatura de Educação Física, trancou a faculdade para se dedicar à campanha. “Deveria estar me formando”, conta ele.

Cristiano trabalhou no Central de Licitações do Estado do RS e, por três anos, foi assessor parlamentar do PP na Câmara de Vereadores de Alvorada. É árbitro de futebol pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF) e pela Federação Gaúcha de Futebol de Salão (FGFS).

Conquistou 852 votos em 40 seções eleitorais, sendo que a maioria dos seus eleitores estavam nos bairros Umbu e Americana. Conta que desde 2012 participa de projetos sociais, promovendo, entre outras, atividades em datas como o Dias das Crianças e Natal, mas este ano, no início da pandemia, houve a arrecadação e distribuição de alimentos às famílias carentes.

Politica

Sempre gostou de politica, daí o seu envolvimento com o PP e com muitas organizações sociais na cidade, e quer mostrar que é possível desenvolver uma política diferente.

E isto já foi percebido este ano.  Por acreditar na mudança, durante a campanha eleitoral apoiou o candidato à prefeito Juliano Marinho (PSD), contrariando a orientação do Partido Progressista, que esteve alinhado à reeleição do prefeito Appolo (MDB). A consequência é que um dos seus propósitos a partir de 1º de janeiro é não negociar cargos com o Executivo, “para que possamos cumprir um mandato livre”.

Salienta que realizou sua campanha sem contar com o Fundo Eleitoral e quer implementar o “gabinete custo zero”, ou seja, não pretende fazer uso de verbas além do salário do vereador e dos seus assessores. “Não vamos usar o vale gasolina, por exemplo, ou as diárias a que temos direito”, decretou.

Possui um projeto para a reestruturação das ONGs da cidade, mas tem como principal meta o respeito ao dinheiro do contribuinte. Para isso, vai investir na fiscalização “que é o verdadeiro trabalho de um vereador” iniciando pelos novos contratos e ainda solicitando a revisão de alguns antigos.

Perguntado sobre o que mudou desde que foi eleito, afirma é o reconhecimento público, que vem acompanhado de mais cobranças. Até 31 de dezembro, véspera de sua posse, segue como motorista de aplicativo.