Sessão iniciou às 10h de quarta e avançou pela madrugada | Foto: Jane de Araújo / Agência Senado / OA

A presidente Dilma Rousseff está oficialmente afastada da Presidência da República por até 180 dias. O destino da petista foi selado às 6h33min desta quinta-feira (12), após mais de 20 horas de discursos no plenário do Senado Federal.

Ao todo, 55 senadores foram favoráveis à admissibilidade do processo – e o consequente afastamento da presidente – e 22 contrários. O número superou em muito o necessário pela oposição, que seria maioria simples, ou seja, 41.

A sessão começou às 10h de ontem, uma hora após do previsto. Os discursos dos senadores que estavam inscritos para falar, 68 inicialmente e 71 ao final do processo, começaram às 11h18min, com a senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP).

[wp-svg-icons icon=”file-4″ wrap=”b” color=”COR”]Confira como cada senador votou na sessão que afastou a presidente

A progressista afirmou que não há nenhuma alegria e satisfação em estar julgando um político e reiterou que o Senado é uma casa democrática. “São graves os fatos imputados contra a presidente da República. Há, sim, enquadramento de provas para a admissibilidade do impeachment, para que a presidente se defenda. […] Encaminho meu voto favorável”, defendeu. Assista ao discurso de Ana Amélia.

[wp-svg-icons icon=”file-4″ wrap=”b” color=”COR”]Senado garante salário e outros benefícios a Dilma Rousseff

O segundo senador gaúcho a discursar foi Lasier Martins (PDT), o 31º a falar na ordem de oratória, e, mesmo tendo o partido se posicionado oficialmente contra o processo do impeachment, garantiu que votará a favor. “Eu entendo que o Brasil está desejando a análise do conjunto da obra, como se convencionou chamar. Dilma lançou o Brasil no descrédito. Hoje nós estamos na América do Sul, apenas à frente da Venezuela. E a América do Sul possui dez países”, avaliou. Assista ao discurso de Lasier Martins.

[wp-svg-icons icon=”file-4″ wrap=”b” color=”COR”]Dilma exonera ministros após votação no Senado

Já Paulo Paim (PT) discursou durante a madrugada desta quinta. Ao defender a presidente Dilma Rousseff, o senador disse nunca ter vivido um momento tão constrangedor como esse, ao qual classificou como truculenta a forma como a presidente foi afastada. “Os senhores poderão ter uma vitória num certo momento, mas eu tenho dito, com a experiencia que aprendi, que num parlamento ninguém sabe quem tem 54 votos ou 28 votos”, garantiu. “Os poetas são contra o impeachment, os artistas, as juventude…enfim, quem é que quer o impeachment?”, questionou. Assista ao discurso de Paulo Paim.

Com a aprovação do relatório da comissão em plenário, a partir de agora o processo está oficialmente instaurado e a presidente fica afastada por até 180 dias. Dilma deve ser notificada da decisão ainda hoje, assim como o vice-presidente Michel Temer (PMDB), que assume o cargo sem qualquer solenidade de transmissão de posse, também nesta quinta.

Fonte: O Alvoradense