PIB gaúcho foi impulsionado por resultado positivo da agricultura | Foto: Gustavo Gargioni/Especial Palácio Piratini/OA
PIB gaúcho foi impulsionado por resultado positivo da agricultura | Foto: Gustavo Gargioni/Especial Palácio Piratini/OA

A economia do Rio Grande do Sul inicia 2013 em recuperação. No primeiro trimestre deste ano, o PIB do Estado cresceu 2,5%, impulsionado pela retomada da agricultura (10,2%) e pela manutenção da expansão nos serviços (2,3%).

Os números foram divulgados na manhã da quarta-feira, pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). Além do crescimento em relação ao primeiro trimestre de 2012, os três primeiros meses deste ano apresentaram evolução de 1,1% em relação ao último trimestre do ano passado.

De acordo com o economista da FEE, Martinho Lazzari, os dados indicam também a retomada do desenvolvimento no setor industrial, que apresenta 2,3% de crescimento em relação ao último trimestre de 2012.

Entre os fatores que sustentam a perspectiva de continuidade e aumento do crescimento do PIB gaúcho nos próximos meses estão a ausência dos resultados da soja, que se reflete no segundo trimestre, e do setor de alimentos, um dos mais fortes da economia do Estado, e que também passa a gerar resultados após o mês de abril.

A recuperação na Indústria vem ancorada pelo setor de transformação, que cresceu 4,2% em relação ao trimestre anterior. “Este resultado é muito importante, porque indica o momento mais atual: houve retração, mas agora o setor volta a se expandir”, explica Lazzari.

Crescimento maior do que o do Brasil
Os números positivos do PIB gaúcho também apresentam boa perspectiva para um crescimento superior ao do Brasil no Estado neste ano.

No mesmo período (janeiro, fevereiro e março de 2013), enquanto o RS cresceu 2,5%, o país teve um aumento de 1,9% no PIB. O principal setor a definir a diferença foi o de Serviços (2,3%).

“Tanto no Brasil quanto no Estado, já passamos pelo pior momento, esta é a grande notícia. E isso vai ficar ainda mais nítido no segundo trimestre”, projeta o presidente da FEE, Adalmir Marchetti.

Fonte: O Alvoradense