Nesta quinta-feira, 17 de setembro de 2015, Alvorada completa 50 anos. São suas bodas de ouro. Uma data que marca a vida de qualquer pessoa. Aos 50, dizem, estamos no auge de nossa maturidade. Miramos o futuro fundamentados em um passado de erros e acertos. Nossas escolhas tendem a ser mais assertivas, ainda que – é claro – estejamos aptos a cometer novos erros.

Em uma data como hoje, não é raro ver moradores lamentando. Ainda temos uma cidade pobre, que carece de investimentos em praticamente todas as áreas. Faltam creches, leitos hospitalares, policiais e bombeiros para nos dar segurança. Nosso Produto Interno Bruto segue sendo um dos mais baixos do Rio Grande do Sul. O nome de nossa cidade, com uma frequência incômoda, é atrelado à violência e a escândalos políticos.

Mas, temos sim motivos para comemorar. É importante que consigamos separar o joio do trigo. O que é bom do que é ruim. A gestão política da vida social e cultural da cidade. Os alvoradenses tendem a descontar na cidade a insatisfação gerada por erros de pessoas ou entidades. Se os problemas existem e não são poucos, também é verdade que a cidade em sí é vítima e não a causadora destas falhas. Quando algo não da certo, a cidade sofre junto com sua população. Alvorada não escolheu ser pobre e violenta. A tornam assim.

Na certeza de que autoestima não se promove jogando confetes para o alto, reiteramos nestes 50 anos nosso desejo de que os moradores se apropriem de sua cidade. Que estejamos do lado dela na luta por dias melhores. Afinal, somos todos Alvorada.

Jornal O Alvoradense