Efeito da estiagem no Gravataí é tema de encontro entre governador e Granpal

Prefeitos da Região Metropolitana de Porto Alegre estiveram no Palácio Piratini

214
Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini / OA

Prefeitos membros da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) estiveram reunidos com o governador Eduardo Leite e o secretário-chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, na terça-feira (25), para tratar sobre a seca do Rio Gravataí e as dificuldades de abastecimento de água na região durante o período de estiagem.

O rio Gravataí, que abastece principalmente os municípios de Alvorada, Cachoeirinha, Glorinha, Gravataí e Viamão, anualmente é atingido pela seca entre janeiro e fevereiro e neste momento, de acordo com o último boletim da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, se encontra em estado de atenção.

Durante a reunião, o diretor de expansão da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), André Borges, e o superintendente da companhia na Região Metropolitana, Alexandre Calvetti, falaram sobre as medidas tomadas para mitigar o problema, como a instalação de balsas no leito do rio a fim de facilitar o bombeamento da água, o início das obras de conclusão de uma adutora de água tratada em Cachoeirinha, a substituição de redes e adutoras e a previsão de novos reservatórios.

Outra demanda da região para o enfrentamento da situação, a construção de 13 microbarragens no Rio Gravataí, já foi encaminhada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano. O titular da pasta, Luiz Carlos Busato, disse que o projeto está na fase de estudos de impactos ambientais.

 “Temos um recurso garantido no Ministério da Integração Nacional para a construção desses minibarramentos que desaceleram a velocidade da água, prevenindo as cheias e retendo água para a região. Já foi licitado e assinada a ordem de início para o EIA/Rima [estudo de impacto ambiental], que deve levar cerca de 12 meses para ser concluído”, explicou.

Além de citar as ações empreendidas em curto e longo prazo, o governador lembrou da importância de, neste momento, haver consciência coletiva sobre o uso da água para se evitar o racionamento. “Vivemos um momento crítico de falta de chuvas e calor excessivo, o que demanda também a consciência de toda a população. Vamos reforçar as campanhas pelo uso consciente da água, sem desperdícios, para que, com a ajuda da população, possamos evitar o racionamento nestas cidades da Região Metropolitana”, afirmou.