GUAÍBA, RS, BRASIL, 15.04.11: Abertura da penitenciária feminina de Guaíba. Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

A unidade, que está em fase final de construção, faz parte do projeto de incremento de vagas da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), e terá capacidade para abrigar presos que hoje estão no Presídio Central de Porto Alegre.

Com as obras das penitenciárias de Canoas, Venâncio Aires, Montenegro e Charqueadas, também em andamento, serão ofertadas no estado 4.881 novas vagas para presos do regime fechado.

O superintendente da Susepe, Gelson Treiesleben, destaca que as obras e projetos estão em ritmo acelerado, e que os objetivos propostos no início desta gestão, de uma solução concreta para o Presídio Central, serão cumpridos.

Ele enfatiza que as duas unidades de semiaberto que sempre foram consideradas problemas, o Instituto Penal de Viamão e a Colônia Penal Agrícola de Venâncio Aires, não têm mais detentos. “Agora estamos trabalhando firme para acabar com Presídio Central, e vamos dar uma solução até o final de 2014″, afirma.

Além da unidade prisional de Guaíba, dois novos módulos estão concluídos nas penitenciárias de Charqueadas e Montenegro, com um total de 750 novas vagas, e previsão de ocupação a partir de maio de 2014. Em Charqueadas, a inauguração aguarda a construção da guarita e passarela, enquanto em Montenegro, está em finalização a obra de esgoto.

Também está em andamento a construção de outras duas novas penitenciárias. A Canoas I com 40% da obra concluída, disponibilidade para 393 vagas, e previsão de ocupação a partir de junho de 2014. A Penitenciária de Venâncio Aires disponibilizará 300 novas vagas para março de 2014.

Além destas, em janeiro iniciam as obras do Complexo de Canoas, que terá 2.415 vagas e previsão de ocupação em julho de 2014. Atualmente em fase de confecção dos projetos complementares, a obra do Centro de Reinserção Social (CRS) de Canoas deverá ter início no primeiro semestre de 2014, com capacidade para 351 vagas e previsão de ocupação a partir de fevereiro de 2015.

Fonte: O Alvoradense