Telas rompidas trazem insegurança à comunidade escolar Foto: Priscila Duarte / Divulgação / OA

Às vésperas de completar 25 anos, a Escola Municipal Cecília Meirelles tem a comunidade da Intersul mobilizada a seu favor. Um movimento organizado entre pais, professores, Conselho Escolar e Associação de Moradores reivindica junto à Prefeitura importantes demandas para a instituição.

A principal reivindicação é a construção de um muro, prometido desde o governo Brum, sem nada acontecer. Em 2015, a comunidade chegou a comemorar, pois havia a garantia da obra, inclusive com a realização de licitação incluindo mais um módulo com novas salas de aula. “Contudo, até agora, segue a cerca de tela, que constantemente é danificada”, constata a professora Priscila Duarte, membro do Conselho Escolar.

Ainda segundo a professora, a justificativa dada pela Secretaria Municipal da Educação (Smed) foi que a empresa cobrou o dobro para realizar o projeto, o que inviabilizou a obra. “Mas se houve licitação, porque não chamam a empresa segunda colocada?”, questiona Priscila.

Agora a escola está organizando um abaixo assinado, que deverá ser entregue à Secretaria Municipal de Educação e também ao Ministério Público.

Comunidade escolar reunida definiu organizar abaixo-assinado Foto: Priscila Duarte / Divulgação / OA
Comunidade escolar reunida definiu organizar abaixo-assinado
Foto: Priscila Duarte / Divulgação / OA

Fonte: O Alvoradense