Ilustração / Governo do Estado / OA

O Gabinete de Crise decidiu que o mapa definitivo do Distanciamento Controlado do Estado permanece com 16 regiões em bandeira vermelha e cinco em laranja (Bagé, Caxias do Sul, Ijuí, Pelotas e Santa Rosa). A vigência da classificação vai de 16 a 22 de fevereiro.

Entre os indicadores monitorados pelo sistema de enfrentamento à pandemia, chamam a atenção a forte elevação no número de confirmados em leitos clínicos (+23%), o aumento nos registros de hospitalização (+32%) e também no número de óbitos (+16%). As internações em UTI se mantiveram estáveis (+1%).

Na 41ª semana do modelo de Distanciamento Controlado, houve leve aumento no número total de leitos de UTI ocupados. Considerando a estabilidade no total de leitos e também dos confirmados com Covid-19 em UTI, a razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19 reduziu para 0,79 no Estado.

O Rio Grande do Sul apresenta a 12ª maior taxa semanal de óbitos e a 17ª maior taxa de mortalidade acumulada de óbitos do país (100 por 100 mil habitantes). Com a inclusão de 24 registros no domingo (14/2), o Estado chegou a 11.379 óbitos, com a média semanal de 55 óbitos por dia, o que representa um aumento frente à semana anterior (+18,5%).

Das 16 regiões classificadas em bandeira vermelha, 14 já aderiram ao sistema de cogestão regional, ou seja, podem adotar protocolos próprios compatíveis até o nível de restrição da bandeira laranja.

Alerta

Em meio ao Carnaval, o Gabinete de Crise chama a atenção para que a população siga respeitando os protocolos, principalmente quanto à higienização constante das mãos, evitar aglomerações e o uso obrigatório de máscara em todas as bandeiras. Vale ressaltar que as festas de Carnaval estão proibidas, uma vez que não atendem aos protocolos mínimos de segurança sanitária.

O Gabinete de Crise faz um alerta para o rápido aumento na ocupação de leitos clínicos nesta semana, de 902 para 1.112. Isso pode refletir em alta demanda por leitos de UTI nos próximos dias. Por isso, reforça a orientação para que a população mantenha todos os cuidados sanitários previstos nos protocolos.