Material apreendido será investigado pelo MP | Foto: PG Alves / Divulgação / OA

Seis empresários foram presos na terça-feira (17) pelas fraudes nos sistemas de coleta de lixo do Rio Grande do Sul. Os homens são suspeitos de envolvimento no esquema que envolvia contratos de R$ 5 milhões em doze cidades – entre elas, Alvorada. O grupo será indiciado por formação de cartel e fraude.

Segundo o Ministério Público, a Operação Conexion, que investiga o caso, está apenas em sua primeira fase. Na segunda será investigado o envolvimento de servidores públicos nas fraudes. Há 25 empresas envolvidas no cartel, que fraudavam licitações para superfaturar o serviço de coleta de lixo.

Os contratos estão estimados inicialmente em R$ 5 milhões, mas acredita-se que o total deva ser muito maior. O Ministério Público (MP) investiga o superfaturamento de 100% em alguns contratos, com prefeituras pagando o dobro do devido pelos serviços.

A primeira fase da operação contou com 18 mandados de busca e apreensão e sete de prisão preventiva. O MP ainda não divulgou os nomes dos suspeitos.

Equipamentos eletrônicos, atas de reuniões, agendas, documentações e R$ 17 mil já estão nas mãos da polícia. O escândalo foi revelado por um dos empresários que estava envolvido no caso. Entre as empresas suspeitas, esta a Mecanicapina, que possui contratos com a prefeitura de Alvorada desde 2013. Além dela, também são investigadas a W.K. Borges, Onze Construtora e Urbanizadora, Brisa Transportes, Trans Ambiental, Geral Transportes, Biomina, Camaro, Komac Rental, Eco Limp, Biasotto & Cia e Reciclagem Adeva.

Fonte: O Alvoradense