Quando Nilva Pollet chegou a Alvorada em abril de 2002, não imaginava que a cidade a conquistaria e transformaria seus dias de psicóloga especializada em Educação para o Trânsito em membro atuante junto à comunidade.

Formada na Universidade Católica de Pelotas, ela, que é natural de Itaqui, chegou a cidade para trabalhar no Centro de Formação de Condutores (CFC) Prisma, então localizado na parada 46 da avenida Presidente Getúlio
Vargas. O cargo era de diretora e ensino. Hoje, é sócia e diretora-geral.

• ASSINE: Receba a edição impressa do jornal O Alvoradense em casa

Ela conta que saiu de casa ainda muito jovem, acompanhada dos irmãos para estudar em uma cidade maior, que oferecesse possibilidade de educação e trabalho aos filhos do arrozeiro de Itaqui. “Só um dos meus irmãos permaneceu em casa e até hoje trabalha com o pai”. Os demais estão espalhados pelo Brasil. Nilva acabou se estabelecendo em Alvorada, apesar de morar em Porto Alegre. Ela conta que é aqui que se sente bem, segura e tem seus amigos e companheiros de trabalho, tanto no CFC como junto à comunidade.

Nilva chegou a Alvorada em 2009 / Arquivo Pessoal
Nilva chegou a Alvorada em 2009 / Arquivo Pessoal

Integrante do Rotary Club e também da Associação Comercial e Industrial de Alvorada (Acial), aqui se dedica às ações sociais, principalmente como rotariana.

O último trabalho consiste na reestruturação da Creche Paul Harris, localizada no bairro Maringá e que foi montada pelo próprio Rotary há alguns anos. Nilva explica que a entidade conquista recursos financeiros junto à Fundação Rotary. Ela assessora diversas creches na sua reorganização física e administrativa. “O importante é que a comunidade assuma os trabalhos, para que a continuidade seja garantida e com qualidade”, avalia.

Já na Acial, Nilva é diretora de Responsabilidade Social, que responde por projetos como Parceiros Voluntários – que atualmente passa por reestruturação na cidade -, e o Pescar, que prepara jovens para o mercado de trabalho com ênfase em atendimento ao público e vendas. Mas, para o sucesso desse programa que hoje beneficia 14 jovens alvoradenses, há necessidade de verbas que são conquistadas junto a parceiros. “Sou a mulher dos convites. Que tanto podem ser para o apadrinhamento do Pescar como para as muitas atividades
do Rotary, como almoços ou chás”, explica.

Em quatro anos de Rotary, Nilva lembra que a maior festa é, na verdade, o Natal Solidário, realizado junto à Paróquia Santo Antônio, do Padre Libanor, quando mais de 800 crianças recebem presentes. Também durante as cheias que atingiram a cidade em julho, Nilva e seus companheiros de Rotary aturam de maneira voluntária para atender às famílias que perderam grande parte de seus bens e tiveram que sair de suas casas por dias. Eles
conseguiram agasalhos, alimentos e água potável, que eram distribuídos aos que precisavam. “É muito bom
poder participar de ações como essas, e dedico meu tempo livre ao trabalho voluntário por acreditar no resultado positivo do que faço”.

Fonte: O Alvoradense