Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra concedeu entrevista coletiva sobre o pente-fino nos benefícios do Bolsa Família | Foto: Wilson Dias / Agência Brasil / OA

Um pente-fino feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) encontrou irregularidades no pagamento de 923 beneficiários do Bolsa Família em Alvorada. O número representa 9,7% do total de benefícios pagos no município, que em outuro chegou a 9.474 famílias.

Em todo o país, 1,1 milhão de pagamentos foram considerados irregulares, o que representa 7,9% dos 13,9 milhões de benefícios.

O ministério determinou o bloqueio de 538 benefícios em Alvorada até que sejam esclarecidos eventuais erros no cadastro. Outros 385 pagamentos foram cancelados. Em todo o país, 469 mil foram cancelados e 667 mil bloqueados.

O Bolsa Família é voltado para famílias em extrema pobreza, com renda per capita mensal de até R$ 85,00, e para famílias pobres, com renda per capita mensal entre R$ 85,01 e R$ 170,00. Neste ano, até o mês de outubro foram repassados para os beneficiários de Alvorada mais de R$ 11 milhões.

O cancelamento do benefício foi determinado para famílias que, segundo o pente-fino, têm renda per capta acima de R$ 440. Já o bloqueio foi aplicado nos casos em que o ministério verificou renda familiar per capita entre R$ 170 e R$ 440.

As decisões de bloqueios e cancelamentos serão informados via extrato bancário ou pelo aplicativo de celular do Bolsa Família. O comunicado trará o motivo do corte e os procedimentos que deverão ser tomados. O prazo de regularização será de três meses.

Cruzamento de dados

Para realizar o pente-fino, o governo cruzou informações do Cadastro Único para Programas Sociais, que contêm os inscritos no Bolsa Família, com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape) e Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

Além disso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Tribunal de Contas da União compararam a base de dados do Bolsa Família com informações sobre 114 mil doadores de campanha para candidatos às eleições de 2016, o que levou ao bloqueio de 13 mil benefícios.

De acordo com o secretário nacional de Renda de Cidadania, Tiago Falcão, quando o benefício é bloqueado, o pagamento continua sendo feito, mas o dinheiro não pode ser sacado. “Se for resolvido o problema [que causou o bloqueio], as pessoas sacam de forma retroativa”, informou. Os  beneficiários nessa situação devem procurar as instâncias municipais responsáveis pelo Cadastro Único.

Fonte: O Alvoradense / Com informações da EBC