O Hospital de Alvorada é referência em atendimento Materno Infantil / Foto: Arquivo / OA

Crianças instaladas nos corredores, quartos com leitos extras… Essa é a situação do setor de pediatria do Hospital de Alvorada esta semana, que apesar do aparente transtorno, garante o atendimento a todos os pacientes internados.

Mesmo antes da chegada do inverno, que iniciou oficialmente no final da tarde de terça-feira (20) os órgãos de saúde do estado e município se mostravam preocupados com o grande número de gaúchos apresentando problemas respiratórios.

Apesar da antecipação da campanha da vacina contra a gripe, segue elevado o número de pessoas que buscam atendimento nas Unidades de Saúde.

Para o gerente administrativo do Hospital de Alvorada, Carlos Grossini, a situação, apesar de atípica e que inspira cuidados, é compatível com um inverno rigoroso. “Nenhum paciente fica sem atendimento porque, mesmo no corredor, as crianças estão na ala da pediatria, com acompanhamento constante de profissionais”, salienta.

O Hospital de Alvorada possui 14 leitos e mais seis postos no pronto-atendimento, o que, nos demais períodos do ano, é o suficiente para o atendimento. “Hoje estamos com uma capacidade aumentada e suprindo as necessidades dos pacientes”.

Manutenção de equipamentos
Quanto a problemas enfrentados nos últimos dias e que causaram apreensão entre familiares de pacientes, o gerente Carlos esclarece o gerador do Hospital teve uma falha técnica na última sexta-feira, (17), quando o prédio ficou sem luz por cerca de uma hora. “Mas o sistema de emergência, para os equipamentos essenciais, substituiu o gerador até que o problema foi solucionado”, informou.

Já com relação ao aparelho de raio-X, o gerente lamenta que o fixo esteja em manutenção, aguardando a entrega de uma peça que já foi adquirida, e que o móvel também tenha apresentado problema, o que obrigou o deslocamento de alguns pacientes para realizar o procedimento em outro município. “O técnico já esteve aqui e em breve tudo volta à normalidade”, garantiu ele.

Fonte: O Alvoradense