Empresas que normalmente investem no setor definem a situação| Foto: Carla Ornelas/Secom/CC/OA
Empresas que normalmente investem no setor definem a situação| Foto: Carla Ornelas/Secom/CC/OA

As indústrias brasileiras vão investir menos este ano. De acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada hoje (28), o percentual das empresas do setor que pretendem investir caiu de 83% em 2013 para 78,1% neste ano, o menor percentual da série histórica iniciada em 2010.

“As expectativas não são tão favoráveis. Estão abaixo do que foram em 2010, ano de maior investimento”, disse o gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

De acordo com a CNI, essa retração na intenção de investir ocorre provavelmente porque 82,9% das empresas consideram a capacidade produtiva atual adequada ou mais que adequada para atender à demanda.

Para Castelo Branco, o programa de concessões do governo e os investimentos em infraestrutura podem levar a resultados superiores às expectativas, mas ele ponderou que é preciso esperar para saber como será a “maturação” desses projetos.

Entre as empresas que pretendem investir, 55,8% têm a intenção de dar continuidade a projetos. Outros 37,6% vão iniciar novos projetos.

O mercado interno é o principal alvo da indústria. Entre as empresas que pretendem investir, 79,6% têm como foco o mercado doméstico e 3,6% se concentram no mercado externo.

Neste ano, a indústria pretende financiar 54,9% dos investimentos com recursos próprios. “Destravar esse processo de financiamento de longo é um desafio que a economia brasileira ainda não conseguiu superar”, disse Castelo Branco.

Na avaliação dos empresários, o principal risco para os investimentos é a incerteza econômica (60,9%). Em seguida vem a reavaliação da demanda ou elevação da ociosidade (38,5%) e o custo do financiamento (29,2%).

Em 2013, 79,7% das empresas investiram, abaixo do pico de 89,6% em 2010.

A pesquisa foi realizada entre os dias 18 de outubro e 25 de novembro de 2013, com 684 empresas. Desse total, 286 são de grande porte, 299 médias e 99 pequenas.

Fonte: Agência Brasil