Ministro surpreendeu ao deixar o cargo antes dos 70 anos | Fellipe Sampaio /SCO/STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) ministro Joaquim Barbosa, se despede do cargo oficialmente hoje (1º) na última sessão plenária deste semestre. A partir de amanhã (2), o Judiciário entre em recesso e só retoma os trabalhos em agosto.

Há 11 anos no Supremo Joaquim Barbosa surpreendeu a todos quando anunciou sua aposentadoria no começo deste ano.

Aos 59 anos, o ministro, primeiro negro a presidir a Suprema Corte brasileira, só teria que sair do cargo quando atingisse 70 anos, idade em que, pela lei, tem que se que aposentar obrigatoriamente, além disso, seu mandato como presidente do STF só terminaria em novembro deste ano.

Indicado em 2003 pelo então presidente Luis Inacio Lula da Silva, Barbosa ganhou notoriedade quando foi o relator do processo do mensalão do PT, o que resoltou na prisão de vários figurões petistas.

Formado em direito pela UnB (Universidade de Brasília), possui mestrado e doutorado pela Universidade de Paris. Fluente em francês, alemão, inglês e italiano, é professor licenciado da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

Antes de presidir o STF, integou o Ministério Público Federal por 19 anos além de diversos outros cargos públicos como: chefe da Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde (1985-88), advogado do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados, de 1979-84), oficial de chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (1976-1979), tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinque, Finlândia.

Com a saída de Barbosa da presidência do Supremo quem assume o cargo, é o Ministro Ricardo Lewandowisk, atual vice-presidente do STF. Lewandowisk assumirá, também a presidência da Corte Suprema, interinamente, até que seja realizada a eleição protocolar para oficializa-lo no cargo.

Fonte: O Alvoradense