Estação de Tratamento de Esgoto concluída, segue sem uso | Foto: Gabinete Digital / Divulgação / Arquivo / OA

As obras da Corsan na cidade, iniciadas em janeiro e com previsão de conclusão em abril deste ano, seguem mobilizando a comunidade. Os trabalhos fazem parte do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) em Alvorada e estiveram concentrados na área central e agora seguem em alguns bairros, com a instalação de encanamento próprio para captação de esgoto.

Conforme o leitor do site O Alvoradense, Felipe Caldas, moradores dos bairros Formosa e Duas Figueiras enfrentam problemas com o mau posicionamento das caixas coletoras em frente às residências, “em nível superior às saídas de esgoto das casas e respectivos terrenos, tornando futuras ligações impossíveis sem auxilio de bombas individuais”, escreve ele.

Competência

Relativo à essa preocupação, a Prefeitura de Alvorada informa que se reúne quinzenalmente com a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), sendo as obras vistoriadas pela Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) desde janeiro.

Na tarde desta terça-feira (14) aconteceu mais um destes encontros, quando foram abordadas as melhorias e cobrança do correto cumprimento do contrato por parte da empresa executora da obra.

Além da Smov, a reunião contou com a presença de representantes das Secretarias Municipais de Planejamento Urbano e Habitação, Meio Ambiente, Trânsito e Mobilidade Urbana.

Resposta

Conforme a Coordenadoria de Comunicação Social da Prefeitura, quando questionados quanto às caixas de coleta nas calçadas, bem como demais detalhamentos das redes e ramais de esgoto sanitário e suas funcionalidades, a orientação é que “os encaminhamentos sejam feitos diretamente à Corsan, por competência”.

Benefícios

Já foram investidos na cidade R$ 136 milhões nas ações do PAC I. Já o PAC II prevê mais R$ 115 milhões, totalizando R$ 251 milhões para as obras do Sistema de Esgotamento Sanitário de Alvorada e Viamão.

O objetivo é ligar grande parte da cidade à Estação de Tratamento de Esgoto, concluída há dois anos e não inaugurada, por não possuir licenciamento da Fepam.

Quando toda a rede estiver concluída e ligada, o esgoto da cidade passa a ser tratado antes de ser lançado ao rio Gravataí e seus afluentes, proporcionando melhor qualidade de vida às comunidades que o cercam e se abastecem de suas águas, inclusive Alvorada.

Fonte: O Alvoradense