Mudanças no atendimento da Saúde ainda provocam transtornos

Mesmo após um ano das mudanças, há casos de orientação errada dada aos pacientes

189
Foto: Arquivo / OA

As mudanças no atendimento em Saúde no município, provocadas pela pandemia do novo coronavírus e que acontecem desde o início da pandemia há mais de um ano, ainda causam transtorno para a população.

Com o Centro Intermediário de Saúde (prédio da UPA) atendendo exclusivamente pacientes com síndromes gripais e suspeita de Covid-19, os serviços foram transferidos à Unidade de Referência em Saúde (URS) II, localizada na Rua Professor Darcy Ribeiro, 157, em frente ao Campus do Instituto Federal do RS (IFRS).

Contudo a informação não parece estar clara nem mesmo aos atendentes das Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Relato

Conforme conta Marlene Fernandez, 56 anos, moradora do Passo do Feijó, ao procurar a UBS de seu bairro para consulta com o cardiologista, foi orientada a buscar atendimento na “UPA”. O seu médico estaria em férias e lhe disseram que o outro profissional da Unidade não poderia lhe atender, ainda que ela apresentasse hipertensão e reclamasse de dor de cabeça.

Chegando ao Centro Intermediário de Saúde (UPA) descobriu que os serviços haviam sido transferidos para a URS II. “Quando cheguei ali, só tinha dinheiro para voltar para casa, e foi o que fiz”, lamenta ela, que segue com os sintomas de hipertensão, aguardando consultar quando o seu médico retornar à UBS.

Ajustes

Frente ao número de reclamações referentes a atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde que surgem e que são contrários aos muitos elogios que as equipes de vacinação tem recebido durante a campanha da Covid-19 e H1N1, a secretária Neusa Abruzzi, da Saúde, afirma durante as lives promovidas nas redes sociais da Prefeitura, que tem visitado as UBS visando ajustar o atendimento à população.