Vanio Presa é alvo da Operação Alderman, do MPRS | Foto: Mariu Delanhese / OA

O vereador Vanio Presa (PMDB), alvo da Operação Alderman do Ministério Público, ainda não se apresentou à Justiça. Há doze dias foi determinada sua prisão preventiva e, nesta condição, ele se encontra foragido até agora.

Em nota emitida pelo diretório municipal do PMDB um dia após a operação, o partido afirmou desconhecer qualquer ato ilícito dos quais Vanio passou a ser investigado e o classificou como “um dos cinco mil filiados em Alvorada”. Sua participação ativa dentro da campanha vitoriosa de Appolo, contudo, pode levar a novos desdobramentos, inclusive eleitorais.

É aguardada para os próximos dias novas ações do Ministério Público. A força tarefa que analisa os documentos colhidos durante a operação tem trabalhado incansavelmente desde o dia das apreensões. Além de documentos, haveriam escutas telefônicas que também compõem as peças probatórias.

A promotora Rochele Jelinek já havia adiantado que há “fortes indícios de que parte dos valores sem origem serviu para financiar a campanha” do prefeito eleito de Alvorada. Vânio Presa foi o responsável por 5,6% das doações de Appolo declaradas à Justiça Eleitoral. A força tarefa busca identificar se essas doações fizeram parte do susposto esquema de lavagem de dinheiro investigado pelo MP.

Os demais partidos, rivais de Appolo na campanha, também tem mantido vigilância sob o tema e discretamente articulam estratégias. A intenção é aguardar uma posição mais contundente do MP para então inicar uma campanha aberta de pressão sob a chapa vitoriosa.

Transição paralisada

A Operação Alderman freou a transição entre os governos. Conforme informações do atual Governo Municipal, desde o resultado das urnas, apenas uma reunião oficial ocorreu entre membros da atual gestão e da futura. Alguns encontros informais trataram de alinhar o início dos trabalhos mais intensos, que eram para começar justamente na semana que estourou a operação.

A equipe do governo Serginho tem trabalhado para produzir relatórios solicitados pela equipe de Appolo.

Vânio Presa estava cotado, inclusive, para participar dos encontros. Ele compunha a Comissão de Transição, cujos membros foram informados por meio de ofício encaminhado à Prefeitura.

Na semana passado Appolo encontrou, também informalmente, Serginho. A expectativa é que as reuniões possam começar a ocorrer a partir desta semana.

Contudo o prefeito eleito José Arno Appolo do Amaral afirma que a transição está acontecendo com normalidade, inclusive com sua presença e do prefeito Serginho nos encontros já ocorridos.

Suplente assume

Além do pedido de prisão decretado e da situação de foragido, Vanio Presa também teve cassado o atual mandato de vereador. Notificada, a Câmara deve acionar o primeiro suplente do PMDB no pleito de 2012 para ocupar a vaga. Trata-se de Airton Pacheco, que deve assumir já na próxima terça-feira (22), durante a sessão plenária.

Fonte: O Alvoradense