Muitos dos veículos que circulam na Capital tem motoristas alvoradenses / Foto: Reprodução / OA

Em busca de uma opção de renda enquanto sua empresa passava por um período de recessão. Foi assim que Márcio Sierote e a maioria dos cerca de 100 motoristas alvoradenses, chegaram ao Uber.

Márcio foi convidado por um primo, que convidou um cunhado e o irmão desse e, assim por diante. Hoje são cinco motoristas na família trabalhando com a novidade que chegou a Porto Alegre em novembro de 2015 para inovar.

O Uber é um aplicativo de celular que possibilita que os usuários entrem em contato direto com automóveis com motoristas, a preço acessível e atendimento rápido. A reserva é feita diretamente no celular usando geolocalização, garantindo discrição.

Os carros usados pela empresa estão em duas categorias: Black, carros pretos, de luxo e a partir de 2013 ou X, com veículos fabricados desde 2008, podendo ser de qualquer cor, “menos vermelho para não confundir com táxi”, esclarece Márcio, que é vice-presidente da Associação de Motoristas Privados e de Tecnologia (Ampritec), recém formada em Porto Alegre.

Ele explica que a empresa está estabelecida na capital e aguarda a regulamentação da Câmara de Vereadores, conforme legislação federal sobre mobilidade urbana. “Conforme a lei, os vereadores não podem proibir um serviço como o Uber, lhes cabe é regulamentar, e é isso que estamos aguardando”, explica Márcio que espera que o Projeto de Lei nesse sentido seja votado antes do recesso parlamentar, que acontece em julho.

Os motoristas do Uber de Porto Alegre atendem também, a partir de chamadas iniciadas na cidade, os municípios de Alvorada, Viamão, Cachoeirinha, Canoas, Guaíba, Esteio e Sapucaia, e parcialmente Gravataí, Eldorado e São Leopoldo.

Protesto Social
Como forma de chamar a atenção de seus clientes e da população para a necessidade de regulamentação do transporte privado de passageiros por plataforma tecnológica como o Uber e o Willgo em Porto Alegre, a Associação dos Motoristas promoveu um Protesto Social, algo diferente esta semana.

Até quinta-feira (30), quem quisesse doar sangue teve o deslocamento gratuito, feito pelos motoristas do Uber. Interessados se inscreveram na página da Associação em uma rede social, sendo que as vagas foram limitadas. “Realizamos a doação de sangue como protesto pacífico e útil à sociedade”, salientou Márcio. No total, cerca de 140 pessoas, entre motoristas e passageiros estiveram no Hemocentro.

Fonte: O Alvoradense