Após acidente Graciela aguardou socorro por uma hora deitada sob o sol

Duas mulheres, duas vidas, duas famílias que não se conhecem e um mesmo drama: o caos na saúde pública. A semana que passou foi marcada por dois distintos exemplos de como está desgastado o atual Sistema Único de Saúde.
Uma destas histórias, no entanto, foi ainda mais dramática. Erta Marisa Strevenski, de 50 anos, foi internada no Hospital de Alvorada com fratura exposta no joelho direito, esmagamento de um dos rins e traumatismo craniano. As lesões ocorreram após um atropelamento na rua Primavera, no bairro Formosa.

Devido à complexidade do caso, o Hospital de Alvorada tentou transferi-la para hospitais de Porto Alegre, mas não havia vagas. Erta faleceu enquanto familiares lutavam para encontrar um leito.

Vítima de um acidente inusitado, Erta, que há dois meses havia recebido a notícia da cura de um câncer no pâncreas, veio a óbito na noite de quarta-feira, dia 18, devido ao acidente e à impossibilidade de transferência.

O sepultamento foi no Cemitério Municipal São José Operário. A família registrou ocorrência na 1ª DP e pretende ingressar na Justiça contra o dono do veículo e contra os hospitais.

Na sexta-feira, dia 20, foi a vez de Graciela Mendes Alves, de 26 anos, sofrer nas mãos de um sistema de saúde ineficaz.

Após derrapar a moto em uma rua de areia no bairro Vila Elza, em Viamão, na divisa com Alvorada, Graciela foi obrigada a aguardar pelos socorristas por uma hora. Durante todo este período, a vítima ficou estirada no chão, sob um sol de 35ºC, enquanto os serviços de emergência das duas cidades negavam atendimento. A vítima, que gemia de dor, chegou a desmaiar, mas foi reanimada por populares. Moradores da redondeza contam que realizaram o primeiro contato com o Samu de Viamão por volta das 14h. Como os socorristas estavam em outra ocorrência, o Samu de Alvorada foi acionado. No entanto, por se tratar de um atendimento em Viamão, nenhuma unidade foi deslocada para o local. Desesperados, os moradores ainda tentaram acionar o Corpo de Bombeiros, que informou que não poderia ajudar, uma vez que não é comum realizarem este tipo de socorro. A Brigada Militar dos dois municípios também foi acionada, mas nenhuma viatura se deslocou. Somente por volta das 15h o Samu de Viamão chegou no local. Graciela foi encaminhada para o hospital daquela cidade, acompanhada do marido, Carlos Eduardo Lima, de 27 anos, que pilotava a moto no momento do acidente e que não sofreu nenhuma lesão.

Fonte: O Alvoradense