A Polícia Civil (PC) levou menos de 24 horas para elucidar um latrocínio ocorrido na noite de domingo (4) na zona Norte de Porto Alegre. Três pessoas foram presas suspeitas do assassinato do comerciante Eugênio Grando, de 43 anos, dono do Supermercado do Sul, com filiais na Capital e em Alvorada.

De acordo com a polícia, o atirador tem 17 anos é um ex-funcionário da vítima. Ele foi apreendido na noite do crime com um carro roubado em Alvorada. A partir da prisão, então sem ligação com o episódio da morte do empresário, a polícia chegou aos demais suspeitos.

O ex-funcionário, que trabalhava como açougueiro no supermercado de Porto Alegre, não possui antecedentes criminais e havia sido demitido por Grando em junho, por estar furtando no estabelecimento. Ele é suspeito, ainda, de ter participado de um assalto ao mercado da vítima que fica na rua Bandeirantes, bairro Maringá, em Alvorada.

Na noite de domingo o menor de idade atacou o comerciante em Porto Alegre. O suspeito, segundo a polícia, usou um lenço para tapar o rosto. O disfarce caiu e, ao ser reconhecido, ele atirou.

Os outros investigados pelo crime, presos na segunda-feira, tem 19 e 31 anos. O menor revelou detalhes do ataque ao empresário. A polícia descobriu que ele passou em casa para trocar uma calça suja de sangue. A voz dele foi reconhecida pela funcionária do mercado que presenciou o assalto.

Grando foi baleado ao entrar no carro, após fechar o minimercado na rua Tenente Ary Tarragô, bairro Jardim Itú Sabará. O corpo foi levado ainda durante a madrugada para Anta Gorda, onde mora a família dele.

Fonte: O Alvoradense