Pré-candidato do PMDB, Appolo não descarta possível aliança com o PT

Único partido da oposição desde 2013, PMDB quer ser cabeça de chapa, mas não rejeita apoio de petistas

1426

Pré-candidato pelo PMDB à Prefeitura de Alvorada, o vereador, ex-prefeito e atual presidente municipal da sigla, José Arno Appolo diz, que o partido tem conversado com todos em busca de composição para a disputa majoritária de outubro, o que inclui o próprio PT.

O PMDB é o único partido com representação na Câmara de Vereadores que desde 2013 se mantém na oposição ao Governo Serginho. O posicionamento local, somado ao cenário nacional, com o afastamento da presidente Dilma Rousseff, colocaria PT e PMDB em lados distintos em Alvorada. Não é o que defende Appolo.

“Rejeitamos esta ideia”, diz, ao ser questionado pelo jornal O Alvoradense sobre uma aliança entre os dois partidos não ser cogitada em hipótese alguma. “O PT tem quadros bons. Não vetamos ninguém”, assegura.

O vereador, contudo, garante que independente do candidato que vier representar o partido no pleito de outubro, o grupo não abre mão de ser cabeça de chapa. “Se não houver composição – o que queremos muito – vamos de chapa pura”, diz.

• Pré-candidatura de Martello tem o apoio de três partidos
• PR confirma Meri Brum como pré-candidata à Prefeitura 
• Presidente do Sima confirma pré-candidatura pelo PSol

“Se tem um partido organizado para as eleições, é o PTB”, diz Nadir

Appolo reconhece que o momento político e econômico traz novos desafios para o próximo prefeito. “A situação é grave, muito difícil, mas apostamos nos cursos profissionalizantes, na indústria, saúde e segurança”, avalia.

Se em 2012 o “alinhamento das estrelas” foi bastante utilizado pelo PT, com Serginho prefeito, Tarso Genro governador e Dilma Rousseff presidente, desta vez a disputa deve estar focada no possível “alinhamento das chamas”, com Appolo, José Ivo Sartori e Michel Temer. A ideia, contudo, é rejeitada pelo pré-candidato: “Definitivamente não usaremos esse discurso porque os exemplos que temos demonstram que não deu certo”, explica, ao lembrar da não reeleição de Tarso, do afastamento de Dilma e da rejeição de Serginho.

Fonte: O Alvoradense