Estação de bombeamento segue submersa | Foto: Divulgação / OA
Estação de bombeamento segue submersa | Foto: Divulgação / OA

Em respostas às críticas recebidas pelo prefeito Professor Serginho, que em entrevista ao jornal O Alvoradense considerou que Corsan “não está encarando com seriedade” a crise de abastecimento em Alvorada, a companhia divulgou, por meio de nota, que trabalhará ao longo de toda a quinta-feira para concluir a operação emergencial o mais rápido possível.

“Precisa ser entendido que as instalações da Corsan foram atingidas pela mesma enchente que acabou por destruir boa parte dos pertences de milhares de moradores”, diz a nota.

• Prefeitura vai decretar calamidade pública em virtude da crise no abastecimento

Por meio de um termo de notificação extrajudicial, a prefeitura solicitou a instalação de bombas no Arroio Feijó, próximo à Fiergs, em Porto Alegre, para ajudar a diminuir o volume de água nos bairros da zona Norte, assim como uma força-tarefa da empresa, por meio de equipamentos e pessoal, para resolver problema da água nas próximas horas.

Para a companhia, contudo, obras de macrodrenagem, capazes de conter a elevação dos níveis dos rios e arroios, não são de sua responsabilidade. “Nossas instalações estarão protegidas se assim estiverem as cidades que abastecemos”, compara.

 Corsan disponibiliza sete caminhões-pipa

A empresa também esclareceu que na estação que está alagada está sendo executado à contenção temporária das águas ao redor dos bombeamentos, para logo após retirar a água do local e então efetua a substituição dos grupos motor-bomba, que já foram adquiridos e estão dispostos perto do local. 

Assine e receba a edição impressa do jornal O Alvoradense em casa

Apesar das garantias de execução do trabalho, ainda de acordo com a Corsan, não é possível definir a volta do fornecimento de água para todos os bairros da cidade.

Fonte: O Alvoradense