Reunião da Granpal ocorreu na tarde desta quinta-feira | Foto: Divulgação / OA

A Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), apresentou na tarde dessa quinta-feira (14), o projeto denominado ‘Rota da Mobilidade’.

O estudo prevê a implantação de diversas melhorias na malha viária da região Metropolitana, interligando rodovias como as ERS 118, 020, 030, 040 e Estrada do Mar, entre outras. Para isto, o grupo propõe a instalação de seis praças de pedágios.

“O grupo de trabalho formado pela Granpal tem hoje a mais completa alternativa para a conclusão e manutenção das rodovias estaduais. Queremos apresentar a proposta ao Governo do Estado”, destacou o presidente da entidade e prefeito de Gravataí, Marco Alba, que deve levar o projeto ao governo José Ivo Sartori após seu retorno das férias.

“As obras da rodovia se arrastam desde 2006. O principal objetivo do grupo é propor uma formatação para que a via tenha sua conclusão. A 118 tem muitos pontos de ligação com as cidades que a rodeiam, por isto a proposta é de que o pedágio não seja instalado entre Gravataí e Sapucaia do Sul. Era preciso pensar este arranjo alinhado à construção das vias laterais da Free Way, que devem ter suas obras iniciadas no próximo ano”, declarou Alba.

O prefeito lembrou, ainda, que está previsto no projeto a duplicação de 260 km das rodovias e melhoramento de mais de 140 km. Entre elas a duplicação da RS 040, entre Viamão e Capivari do Sul, além da duplicação da ERS 118 entre Gravataí e Viamão, trecho que passa por dentro de Alvorada.

A apresentação foi feita pelo engenheiro Luiz Dahlem e pelo ex-diretor do DAER, Roberto Niderauer, coordenadores do estudo. “O projeto contempla um panorama que busca mudar a realidade. Nos últimos dez anos, o RS não consegue fazer a manutenção das rodovias pavimentadas no Estado. A Confederação Nacional do Transporte (CNT) estima que o Rio Grande do Sul precisaria hoje de R$ 6,2 bilhões para manutenção das rodovias”, ressaltou o engenheiro.

A sugestão é de que seja realizada uma cobrança por trecho, com implantação de pedágios concedidos pelos próximos 30 anos.

Já Roberto Niderauer destacou que a “ideia é buscar alternativas que contemplem a concessão, de forma que estradas com menos fluxo equilibrem pontos com mais trafegabilidade”.

O vice-prefeito de Sapucaia do Sul, Arlenio da Silva, ressaltou que hoje, a cidade tem um custo de R$ 500 mil por mês com o aluguel social de moradores da ERS 118, cujas obras se arrastam a anos. O prefeito de Canoas, Jairo Jorge, lembrou ainda da retomada do projeto da ERS 010. A possibilidade é de que o projeto seja retomado junto ao apresentado pela Granpal.

Participaram do encontro os prefeitos de Canoas, Jairo Jorge; Viamão, Valdir Bonato; Alvorada, Professor Serginho; Arroio dos Ratos, José Carlos Azeredo; Esteio, Gilmar Rinaldi; os vices de Cachoeirinha, Gilso Nunes; Guaíba, Rogério Souza; o secretário de Segurança de Porto Alegre, José Freitas, além de representantes de Eldorado do Sul, Nova Santa Rita e Sapucaia do Sul.

Fonte: O Alvoradense