Entre as exigências estão o aumento do vale-refeição | Foto: Sima / Divulgação / OA

Uma reunião entre a Prefeitura e a direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alvorada (Sima), prevista para esta sexta-feira, foi cancelada pelo governo.

Para Rodinei Rosseto, presidente do Sima, a atitude representa um rompimento nas negociações.

“Marcamos este ato de paralisação para hoje porque tínhamos essa pauta agendada com a Prefeitura. Este cancelamento demonstra que o governo não vai cumprir o acordo que estava em construção junto aos trabalhadores”, afirmou Rosseto.

Para o secretário municipal de Administração Ramiro Passos, a afirmação de de Rosseto não se sustenta. “Não sinalizamos que não seria possível avançar, apenas pedimos tempo para organizar a casa“, afirmou Passos.

Reivindicações

Batizado de Ato de Defesa de Reivindicação e Direitos, o protesto acontece, segundo o sindicato, pela falta de políticas de valorização dos servidores e a alteração de leis administrativas sem o debate com os trabalhadores da área.

Entre as reivindicações estão o aumento do vale alimentação para R$ 14,00, com redução do desconto para 20%, e o Planejamento a Distância dos Professores do Currículo por Atividade (CAT).

Em nota a direção do Sima afirmou que a “participação e comunicação dos servidores são fundamentais no processo da administração pública, por isso devem ter suas opiniões acolhidas e respeitadas”.

Segundo o sindicato, os municipários temem perda de direitos e vantagens após a aprovação do Projeto de Lei (PL) 011/2013. Uma análise prévia feita pelos servidores apontou a possibilidade de perdas para algumas categorias, como os Guardas Municipais, já que o PL revoga outras 38 leis, algumas delas garantidoras de direitos trabalhistas.

Outra polêmica que o projeto gerou foi a criação de diversos cargos, entre eles o de Secretário Adjunto. Ainda segundo o Sima, o acréscimo na folha de pagamento deve ser de R$ 2 milhões.

Fonte: O Alvoradense