Foto: Divulgação / OA

Nesta sexta-feira (14), o Secretário de Articulação e Apoio aos Municípios, Agostinho Meirelles, recebeu a delegada do Sindicreches de Alvorada, Laura de Andrade, a Presidente do Sindicreches Carina Becker Köche, Vice-Presidente: Talina Fraga e representantes de duas escolas de Pelotas, para falar da abertura das escolas de educação infantil. A reunião foi articulada pelo Vereador Juliano Marinho (PSD) e o vereador Marcola (PTB) de Pelotas.

O Governo do Estado apresentou, na última terça-feira (11) um cronograma para volta das aulas, onde a educação Infantil seria a primeira a retornar, a partir de 31 de agosto nos Municípios que estiverem com bandeira laranja e amarela, o que, neste momento, não é o caso de Alvorada.

Muitas escolas estão se preparando para o retorno, e contam com o Centro Operações de Emergência (COE) para autorizar os Planos de Contingência, para somente a partir desta aprovação e da mudança da bandeira, retornar. O Município de Alvorada já tem COE e foi solicitado para as escolas entregarem um cadastro, neste primeiro momento. Além disso, destacamos a importância do Conselho Municipal de Educação para o acompanhamento deste tema de tamanha relevância. Embora já exista a nomeação de alguns Conselheiros do CMEA, este ainda segue inoperante diante das demandas da Educação no Município de Alvorada.

Segundo Laura de Andrade, as demandas para escola infantil é muito grande, e o Comitê de enfrentamento do Coronavírus do Sindicreches traz um relatório com estudos científicos que norteiam a abertura segura para as crianças nesta faixa-etária. Este estudo foi apresentando para o vereador Juliano, pois “é uma das lideranças do Município, que desde o início se posicionou contra abertura das escolas. No entanto, precisávamos demonstrar a realidade das nossas famílias e números que pudessem reverter este pensamento”, disse Laura, que busca apoio de todos os políticos para esta demanda.

“Queremos falar sobre os problemas que as escolas de educação infantil tem enfrentado. As escolas não podem fechar, pois o Município não dá conta da demanda com elas, imaginem sem? se trata de pensar naquelas crianças que hoje estão nas ruas, crianças que estão em ‘cuida-se’, que estão indo trabalhar com a mãe, assim, poderíamos discorrer em várias realidades”. Ainda completa destacando que nenhuma família deve ser obrigada a levar seu filho para a escola, mas aquelas que precisam, devem ter o direito de levá-la.

Na próxima semana, Laura irá marcar com o Prefeito Appolo (MDB) para levar o relatório produzido pelo Sindicreches atualizado com os últimos dados para pedir que o Município, assim que estiver com a bandeira laranja, possa autorizar a abertura das escolas de educação infantil com os devidos protocolos colocados em prática nas escolas e de forma segura.

Laura completa defendendo especificamente a volta apenas da educação infantil. “No meu entendimento os Ensinos Fundamental e Médio, retornar, neste momento, ainda é precipitado, visto que a quantidade de pessoas é muito maior e as escolas têm, na sua maioria, mais de 500 alunos e os horários de entrada e saída são os mesmos, nesta ótica ainda a de se avaliar o retorno”.