Servidores afirmam que vão permanecer no interior do prédio até agenda com o governo | Foto: Jonathas Costa / OA

Agendada para esta quarta-feira (16), a paralisação dos servidores municipais de Alvorada acabou evoluindo ao longo da manhã para uma ocupação do prédio da Prefeitura. Desde às 9h30min o local está tomado por cerca de 500 servidores, que aguardam agenda com o prefeito Professor Serginho.

A concentração da categoria começou cedo, por volta das 8h. Já nas primeiras horas de mobilização a concentração de servidores era grande.

[wp-svg-icons icon=”images” wrap=”b” color=”#dd9933″] Veja as imagens do dia de paralisação e protesto em Alvorada

Um carro de som ficou estacionado na Largo Leonel Brizola, onde servidores e moradores que passavam pelo local utilizaram o microfone para fazer reivindicações.

Foi o caso da dona Délia, de 71 anos, que não conseguiu remédios na Farmácia Municipal. “Estou desde segunda atrás dos medicamentos. “A saúde de Alvorada está um caos”, disse.

[wp-svg-icons icon=”podcast” wrap=”b” color=”#dd9933″] Acompanhe ao vivo o dia de paralisação dos servidores

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Alvorada (Sima), Rodinei Rosseto, solicitou uma agenda com o prefeito ou o secretário de Administração, Ramiro Passos, ainda hoje para apresentação a pauta da categoria.

[wp-svg-icons icon=”file-4″ wrap=”b” color=”#dd9933″] Postos de saúde que abriram estavam sem médicos nesta manhã

Até às 12h, a Prefeitura não havia informado se o prefeito iria atender uma comissão dos servidores ou não. Serginho esteve ao longo da manhã em uma agenda em Porto Alegre com demais prefeitos da região Metropolitana.

Por volta das 11h um grupo de servidores subiu as escadarias e passou a ocupar a recepção do gabinete do prefeito. Com as salas trancadas, não foi autorizado aos servidores a ocuparem o Salão Nobre.

[wp-svg-icons icon=”file-4″ wrap=”b” color=”#dd9933″] Escolas permaneceram abertas, mas algumas turmas ficaram sem aulas

O secretário de Segurança e Mobilidade Urbana, Luis Carlos Silveira, foi até o local e informou a ausência do prefeito e que uma reunião deveria ser “agendada previamente”. Não houve acordo. “Não sairemos da Prefeitura sem uma agenda com o governo. Seja hoje ou amanhã. O tempo quem dirá será o Prefeito”, avisou Rosseto.

No final da manhã uma nova assembleia da categoria, realizada em frente ao prédio do governo, aprovou mais um dia de paralisação.

Fonte: O Alvoradense