O encontro que discute o reajuste de 23,5%, em três parcelas, ao magistério estadual ainda não acabou. Em meio a ofensas entre deputados governistas, oposicionistas e militantes do Cpers, a proposta segue em discussão,até o momento não se tem previsão de horário para a votação.

Após reunião realizada na manhã desta terça-feira, os líderes do governo não aprovaram a contraproposta dos professores do Cpers/Sindicato de pagamento único em maio. O Governo do Estado propôs o reajuste único em novembro de 2012, mas a proposta foi recusada.

Durante a sessão o deputado Jorge Pozzobom (PSDB) subiu à tribuna para criticar o governador Tarso Genro, por não estar cumprindo com a promessa feita em campanha eleitoral. Irritado e instigado por gritos dos integrantes do Cpers, o tucano chamou Tarso de “palhaço”.

Depois, o líder da bancada do PT, deputado Daniel Bordignon, pediu a retirada da manifestação dos autos. Ele disse que se tratava de uma “ofensa sem precedentes na história da Assembleia”. Pozzobom pediu a palavra mais uma vez e se desculpou, solicitando também a retirada da declaração dos autos do Legislativo.

Apesar desse tumulto,o aumento de 23,5% ao magistério, que não alcança o piso de R$ 1.451,00, deverá ser aprovado pela maioria governista. O reajuste elevará o básico da categoria para R$ 977,05.

 

Fonte:  O Alvoradense