Homem foi preso em Porto Alegre, suspeito de cometer abuso sexual contra filhas menores de idade em Gravataí | Foto: DEAM Gravataí/PCRS/OA
Homem foi preso em Porto Alegre, suspeito de cometer abuso sexual contra filhas menores de idade em Gravataí | Foto: DEAM Gravataí/PCRS/OA

Policiais Civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Gravataí prenderam, preventivamente, um homem, de 49 anos, suspeito de ter estuprado as três filhas, de 14, 18 e 25 anos.

Segundo a polícia, os atos de abuso sexual cometidos com as duas filhas maiores de idade teriam ocorrido quando elas ainda eram adolescentes.

O estupro contra a filha menor, de 14, estaria ocorrendo há dois meses, quando a menina ainda tinha 13.

A ação, que ocorreu na tarde desta sexta-feira (1º) em Porto Alegre, foi coordenada pela delegada Simone Viana Chaves.

O preso estava foragido desde o dia 11 de outubro, quando a equipe da DEAM tentou prendê-lo, sem sucesso. Os policiais continuaram as buscas na região Metropolitana. O homem já possuía antecedentes e demonstrava ser de índole perigosa.

Durante as investigações a polícia conseguiu descobrir que ele estaria hoje em Porto Alegre, local onde foi realizada a prisão. O suspeito estaria, ainda, ameaçando a esposa com soda cáustica, além de agredi-la.

Conforme apuraram as diligências policiais, a filha de 14 anos é fruto do relacionamento dele com a cunhada, que na época que deu à luz tinha 15 anos. O suspeito é funcionário da prefeitura de Porto Alegre, onde trabalha com serviços gerais, e os casos de abuso teriam ocorrido em Gravataí, na região Metropolitana.

De acordo com a polícia, os abusos à filha menor ocorriam em frente a uma sobrinha de 12 anos.

A esposa do preso disse que tinha conhecimento dos abusos das filhas maiores e que, há anos, teria denunciado o preso, mas ele voltou ao convívio da família afirmando que iria mudar seu comportamento.

A delegada Simone Chaves afirmou que a mulher relata ainda ter sido obrigada, muitas vezes, a manter relações sexuais com o suspeito e que, para ele, era indiferente que os filhos os vissem.

No ato da prisão, o homem permaneceu em silêncio. Ele foi encaminhado ao Presídio Central.

Fonte: O Alvoradense