Brigada Militar foi a primeira parada da comitiva / Foto: Jonathas Costa / AO

Após uma noite tumultuada na área central da cidade, inclusive com um grande ato de vandalismo no Acampamento Farroupilha, os tradicionalistas de Alvorada realizaram uma verdadeira peregrinação pelo centro da cidade em busca de segurança.

As ações começaram pelo 24º Batalhão de Policia Militar (BPM), onde a comissão formada por Ana Paula Lauffer, subdiretora artística de Alvorada; Renato Spanhol, diretor financeiro da subcoordenadoria; e Marta Beyer, subcoordenadora de Alvorada da 1ª Região Tradicionalista, entre outros, esteve com um grupo de oficiais da BM. O comando afirmou ser parceiro da atividade, garantindo que o efetivo será reforçado nos dias de grandes eventos.

Com relação ao incidente de domingo, a Brigada Militar afirma que esteve presente, inclusive com imagem de uma viatura no vídeo que circula nas redes sociais, e que, sendo a praça pública, é inevitável a aglomeração de pessoas diferentes, se referindo aos jovens que habitualmente frequentam o espaço e os tradicionalistas.

A BM também confirmou que não houve registro de furtos no local, e que, por isso, o incidente não pode ser classificado como um arrastão.  O que houve, no entendimento dos policiais militares, foi uma briga generalizada, que acabou atingindo as crianças que se apresentavam.

A Brigada Militar foi informada da ameaça aos piquetes que surgiu nas redes sociais, onde grupos se mobilizam para novos atos de vandalismo contra o Acampamento Farroupilha. A orientação da BM ao grupo foi de buscar também o Conselho Tutelar, por se tratarem de menores e na Prefeitura em busca do apoio da Guarda Municipal, fiscalização de trânsito e para coibir a venda de bebidas alcoólicas a menores fora do Acampamento.

Após saírem do batalhão, o grupo se dirigiu ao Conselho Tutelar, onde foram recebidos pela coordenadora Fernanda Maciel. Ela explicou que a entidade está defasada na cidade e que pela noite há apenas um plantonista. “Quando acontece algo dessa proporção, com tantas pessoas ao mesmo tempo, o que um conselheiro sozinho poderia fazer?”, questionou.

Ela reforçou que o papel do conselho é de proteger os direitos das crianças quando violados e que, neste caso, como os jovens estavam infringindo a lei, a responsabilidade era da Brigada Militar. A coordenadora reforçou que o Conselho Tutelar de Alvorada opera com o efetivo três vezes menor do que o necessário e que falta o básico para a entidade.

Na Prefeitura o grupo foi recebido pelo prefeito Professor Serginho que citou o convênio assinado com os tradicionalistas, que previa apenas o fornecimento de água, luz e mão de obra para a montagem dos galpões. “Não está no acordo a segurança e já tivemos custos com o evento.  Não temos condições de arcar com novos gastos”, afirmou inicialmente o prefeito.

Contudo, frente a essa nova circunstância, a comissão solicitou a ação da Guarda Municipal para proteção dos piquetes e fiscalização mais efetiva com a venda de bebida alcoólica nas proximidades.

Em resposta, os secretários de Mobilidade Urbana e Segurança, Edson Luis Pereira Rosa e de de Desenvolvimento Econômico, Wagner Ramos Brilhante, garantiram um efetivo de cinco guardas na Praça Central das 16h às 22h e a realização de uma inspeção mais efetiva com advertência ao supermercado  e ações de fiscalização.

Com a garantia de apoio da Brigada Militar e a presença da Guarda Municipal no Acampamento Farroupilha, a sub coordenadoria de Alvorada da 1ª Região Tradicionalista optou por seguir com o calendários de eventos do Acampamento Farroupilha de Alvorada.

Fonte: O Alvoradense