Evandro teme que o projeto não continue em 2013 | Foto: Amanda Fernandes / OA

Difícil encontrar alguém que, em Alvorada, nunca tenha ouvido falar ou que já não tenha participado de alguma das ações do projeto Alvoroço. Mais difícil ainda é encontrar quem não tenha assistido aos filmes “Dá um Tempo” e “Eu Odeio o Orkut”. As exibições dos dois filmes foram eventos grandiosos que reuniram mais de 25 mil pessoas na Praça João Goulart.

Morador de Alvorada há 30 anos, Evandro Berlesi é a pessoa à frente de um projeto que transforma meninos e meninas de Alvorada em atores de cinema. Através das oficinas do projeto Alvoroço nas escolas, jovens alvoradenses contracenam com atores famosos, como Marcos Kligman e Luana Piovani, e aprendem como funcionam os bastidores de uma produção cinematográfica.

Evandro, que começou com o teatro, em 1995, afirma que iniciou a carreira de ator porque sonhava em fazer filmes. “Na minha cabeça eu achava que deveria saber atuar, escrever e dirigir para para fazer cine-ma. Eu achava que quem fazia filme fazia tudo”, declara. Ele, que já tentou ser ator da Rede Globo, trabalhou no Rio de Janeiro, São Paulo e em Porto Alegre como roteirista de diversas produtoras e, quando tudo deu errado, decidiu voltar pra casa.

Entre um trabalho e outro, entre um “não” e outro nos testes de ator, ele passou a desenvolver a arte de escrever. Hoje, já perdeu as contas de quantos projetos, roteiros e sinopses tem guardados pelas gavetas aguardando a oportunidade de serem produzidos. Com dois livros lançados e preparando o lançamento do terceiro ainda para este ano, Evandro se divide entre a literatura e o cinema.

A ideia de ensinar cinema nas escolas surgiu da vontade de unir educação e cultura e fomentar a criatividade dos jovens, formando, assim, uma nova geração de atores, roteiristas e produtores de audiovisual, além de incentivar os espectadores a terem uma visão mais crítica do cinema nacional.

Com as oficinas, o projeto incentiva o gosto pela leitura e escrita e mostra que é possivel aproximar a arte de todas as camadas da sociedade.

Cinema na Escola

Foram 100 turmas de 12 escolas que participaram da produção de dois longas-metragens e nove curtas totalmente produzidos em Alvorada. O processo iniciado dentro das escolas rendeu, além de visibilidade na mídia, indicações para vários prêmios dentro e fora do Estado.

Neste ano o projeto está em processo de finalização dos cinco curtas produzidos.

Mas uma preocupação ronda o diretor: por tratar-se de ano eleitoral, Evandro teme que este seja o último ano do projeto que leva cinema às escolas. Ele, que afirma que precisa fazer filmes para ser feliz, teme que nova administração da cidade deixe de lado o projeto e o obrigue a interromper a produção. Tendo o atual prefeito um papel importante no suporte ao Alvoroço, Evandro afirma que não consegue imaginar a continuidade do projeto com a saída de Brum da prefeitura: “ele é uma dos nossos maiores apoiadores”.

Mas também não descarta a possibilidade de tocar os projetos de forma totalmente independente.

 

Confira aqui o trailer e as sinopses dos cinco curtas produzidos pelo Projeto Alvoroço em 2012

 

Fonte: Amanda Fernandes / O Alvoradense