Comdica, Conselho Tutelar e representantes do PPCAAM-RS estiveram reunidos tratando dos detalhes de implantação do programa na cidade | Foto: Divulgação  / OA
Comdica, Conselho Tutelar e representantes do PPCAAM-RS estiveram reunidos tratando dos detalhes de implantação do programa na cidade | Foto: Divulgação / OA

Aconteceu esta semana, uma reunião entre o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica), Conselho Tutelar e representantes do Programa de Proteção a Criança e Adolescente Ameaçados de Morte do Rio Grande do Sul (PPCAAM-RS) para viabilizar a instalação do programa na cidade.

O PPCAAM é uma estratégia do Governo Federal, coordenada pela Secretaria de Direitos Humanos que, em parceria, com governos estaduais e organizações da sociedade civil promove a proteção e preservação da vida de crianças e adolescentes sob ameaça de morte.

Através de ações de conscientização e incentivo à proteção o programa tem como objetivo compor uma politica de enfrentamento à violência letal de jovens e adolescentes e assegurar seus direitos fundamentais.

Segundo o presidente do Comdica, Tiano Caduri,  em Alvorada o programa funcionaria com a ciração de um plano municipal de enfrentamento à violência.

“Estaremos construindo um momento de diálogo com lideranças da Administração Municipal e da comunidade para a explanação deste importante programa”, completou.

Alvorada é a terceira no ranking de mortes de adolescentes
De acordo com Caduri, uma das razões para a implantação do programa na cidade é Alvorada figurar na terceira posição do Indice de Homicidio de Adolescentes (IHA). Perdendo apenas para Viamão e Porto Alegre.

Uma pesquisa nacional publicada em julho de 2013 revelou que em cada 100 mil jovens alvoradenses entre 14 e 24 anos 142,6 são assassinados.

De acordo com o estudo publicado em julho pelo Centro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), com dados do Subsistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde Alvorada é a quarta cidade mais violenta para jovens da Região Sul do país.

A taxa praticada na cidade indica que a cada 100 mortes, 45 são de jovens.

Fonte: O Alvoradense