Brigada Militar deve intensificar o policiamento para evitar confrontos entre membros das torcidas. | Foto: Alexandre Lops / Inter / OA

O martelo bateu várias vezes diante da cúpula gremista não estar presente no primeiro Gre-Nal do campeonato brasileiro de 2012.

A decisão de que o Estádio Beira Rio abrigaria apenas uma torcida foi levada á juízo, e de fato conseguiu respostas vantajosas que agrade gregos e troianos. A Brigada Militar, principal responsável pela segurança dos eventos esportivos, deverá autorizar a presença de torcedores do Grêmio no clássico marcado para o dia 26 de agosto, no Beira-Rio. Embora considere ideal somente torcida única, no caso a do Inter, mandante do jogo, o Comando de Policiamento da Capital (CPC) informa que a BM já se prepara para atender a o que chama de “torcida mista”. Nesse caso, a tendência é que apenas 600 gremistas tenham lugar no Beira-Rio, diante da redução da capacidade do estádio.

Considerando que a hipótese seja negativa para o lado azul da força, não só o Grêmio como o Inter saíram prejudicados, pois a última rodada do campeonato é o Gre-Nal no Estádio Olímpico (possível último jogo dos gremistas caso não se classifiquem na Copa Sul americana).

Sendo esse o último jogo e o Inter precisando de pontos para, quem sabe, um título nacional ou uma vaga na Libertadores, seria justo que tivesse presente apenas torcedores do Grêmio,já que e primeira instancia, o Internacional assistiu seu primeiro clássico sozinho.

Com 600 torcedores, informa Freitas, será possível atuar nas áreas mais críticas, que são a saída dos torcedores gremistas do Olímpico e o acesso e a saída do Beira-Rio. Outra preocupação será com a separação entre as duas torcidas no anel superior, o único setor liberado do estádio, em razão das reformas para a Copa do Mundo.
Segundo o comandante do CPC, também será necessária uma contenção entre as torcidas organizadas do próprio Inter, para evitar tumultos já verificados em outros jogos.

Acredito que ninguém queira que a maior rivalidade do país fique sem um show colorido no ano de 2012, o último do Monumental. Pois quem faz a festa é a torcida. E sem torcida, não tem show.

 

Fonte: Laura Toscani / O Alvoradense