As repercussões da prisão do presidente do PTB

Roberto Jefferson é acusado de integrar milícia digital de ataque à democracia

232
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / OA

A prisão do ex-deputado federal e presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, nesta sexta-feira (13) repercutiu no meio político, principalmente entre os membros do Partido Trabalhista Brasileiro.

Acusado de integrar o “núcleo político” de uma suposta milícia digital que profere ataques às instituições democráticas, foi preso preventivamente pela Polícia Federal (PF) após determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, que também determinou o bloqueio de conteúdos postados por Jefferson em rede sociais, apreensão de armas e o acesso a mídias de armazenamento.

Repercussão

O Diretório Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro, em nota, manifestou sua incredulidade com a prisão. O texto foi replicado pelo Diretório Estadual do Partido:

“O PTB foi surpreendido com mais uma medida arbitrária orquestrada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. O ato demonstra, mais uma vez, a tentativa de censurar o presidente da legenda, impedindo-o de exercer seu direito à liberdade de opinião e expressão por meio das redes sociais. Este é mais um triste capítulo da perseguição aos conservadores. Nosso partido espera que a justiça veja o quão absurda é este encarceramento. No momento, aguardamos os desdobramentos futuros para nos pronunciarmos acerca das medidas a serem adotadas”.

Em Alvorada, o presidente do PTB Municipal, ex-vereador Neto Girelli, optou por não se manifestar até que tenha mais “informações referentes ao acontecido”.

Já o presidente da Câmara de Vereadores, Cristiano Schumacher, que junto com a vereadora Nadir Machado compõe a bancada petebista em Alvorada, declara: “Ninguém está acima da lei. Temos que respeitar a Constituição e o Estado Democrático de Direito. Que prove sua inocência nos autos. Decisão judicial não se discute. Se cumpre”.