Vendas no varejo chegaram a R$ 150 milhões do Estado | Foto: Marcelo Matusiak / Divulgação / OA

Nem mesmo a preocupação com as manifestações, obras no estádios e infraestruturas incompletas para a Copa do Mundo 2014 impediu os comerciantes de comemorarem os números positivos deixados pelo Mundial. Após um mês de futebol, aos olhos do mundo as preocupações se dissiparam, principalmente em cidades-sedes como Porto Alegre.

A capital gaúcha recebeu cinco jogos da Copa com uma média de 42.993 torcedores por jogo. Apesar deste número, o Estado recebeu 350 mil turistas de acordo com a Secretaria do Turismo do RS – mais que o esperado inicialmente, 200 mil.

Uma pesquisa realizada pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) divulgou nesta segunda-feira (14) que o consumo destes turistas foi centrado no vestuário, calçados e artigos de uso pessoal.

O clima chuvoso e as temperaturas mais amenas também beneficiaram as compras, principalmente nas lojas de roupas, já que os europeus e australianos, especialmente esperavam uma Copa inteiramente sob o clima tropical, o que não ocorreu.

Com este cenário, o consumo dos turistas durante o período totalizou R$150 milhões.

Para o presidente da FCDL-RS o clima de tranquilidade que se instalou durante o Mundial contribuiu para que o país encontrasse um novo patamar de turismo.

Conforme o presidente da entidade, o importante é sustentar a atratividade dos turistas internacionais a partir da boa imagem que o Brasil deixou com a Copa.

“Além de melhorar de forma sustentada o receptivo, entendo que o varejo nacional poderia aumentar sua competitividade de venda com um simples ajuste tributário muito usado em vários países: ao adquirir um produto em nosso país, o estrangeiro paga um elevado percentual em impostos. Munidos das notas fiscais com os impostos discriminados (lei em implementação), o turista poderia ser ressarcido dos tributos pagos na saída do Brasil”, defende.

Apesar de não ganhar o título, o país ganhou notoriedade e a oportunidade de manter a atratividade turística internacional.

Fonte: O Alvoradense